"Fui vítima de uma ardilosa armação", diz Aécio ao voltar ao Senado

Sem subir à tribuna, em pé ao microfone, Aécio agradeceu o voto dos senadores e se disse vítima de uma ardilosa armação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2017 17:46 / atualizado em 18/10/2017 22:09

Evaristo Sá/AFP
Após ter o mandato retomado com o apoio de 44 colegas, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) voltou ao plenário, no fim da tarde desta quarta-feira (18/10). Sem subir à tribuna, em pé ao microfone, Aécio agradeceu o voto dos senadores e se disse vítima de uma ardilosa armação. "Uma criminosa armação perpetrada por empresários inescrupulosos que enriqueceram às custas do dinheiro público e não tiveram constrangimento em acusar pessoas de bem na busca dos benefícios em uma inaceitável delação suspensa em razão de parte de verdade estar vindo à tona", disse.
 
 
Durante a breve fala a poucos senadores em plenário, o tucano aproveitou para atacar o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, ao dizer que ele contribuiu para essa trama ardilosa sem citar o nome de Janot explicitamente.
 
Ao final, Aécio disse que trabalhará durante o resto do mandato para provar a inocência. "Fui, sim, alvo dos mais vis e graves ataques nos últimos dias, mas não retorno a essa Casa com rancor ou com ódio. Venho acompanhado da serenidade dos homens de bem, daqueles que conhecem a própria história. E a minha história é honrada, é digna e de dedicação ao longo de quase 40 anos aos mineiros e ao Brasil", finalizou.
 

Confira como votou cada senador

 

Favoráveis ao senador Aécio Neves (PSDB-MG):

Airton Sandoval (PMDB-SP)

Antonio Anastasia (PSDB-MG)

Ataídes Oliveira (PSDB-TO)

Benedito de Lira (PP-AL)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)

Cidinho Santos (PR-MT)

Ciro Nogueira (PP-PI)

Dalirio Beber (PSDB-SC)

Dario Berger (PMDB-SC)

Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Edison Lobão (PMDB-MA)

Eduardo Amorim (PSDB-SE)

Eduardo Braga (PMDB-AM)

Eduardo Lopes (PRB-RJ)

Elmano Férrer (PMDB-PI)

Fernando Coelho (PMDB-PE)

Fernando Collor (PTC-AL)

Flexa Ribeiro (PSDB-PA)

Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)

Hélio José (PROS-DF)

Ivo Cassol (PP-RO)

Jader Barbalho (PMDB-PA)

João Alberto Souza (PMDB-MA)

José Agripino (DEM-RN)

José Maranhão (PMDB-PB)

José Serra (PSDB-SP)

Maria do Carmo Alves (DEM-SE)

Marta Suplicy (PMDB-SP)

Omar Aziz (PSD-AM)

Paulo Bauer (PSDB-SC)

Pedro Chaves (PSC-MS)

Raimundo Lira (PMDB-PB)

Renan Calheiros (PMDB-AL)

Roberto Rocha (PSDB-MA)

Romero Jucá (PMDB-RR)

Simone Tebet (PMDB-MS)

Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Telmário Mota (PTB-RR)

Valdir Raupp (PMDB-RO)

Vicentinho Alves (PR-TO)

Waldemir Moka (PMDB-MS)

Wellington Fagundes (PR-MT)

Wilder Morais (PP-GO)

Zeze Perrella (PMDB-MG)

 

Total: 44

 

Contrários

Acir Gurgacz (PDT-RO)

Alvaro Dias (Pode-PR)

Ana Amélia (PP-RS)

 ngela Portela (PDT-RR)

Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

Fátima Bezerra (PT-RN)

Humberto Costa (PT-PE)

João Capiberibe (PSB-AP)

José Medeiros (Pode-MT)

José Pimentel (PT-CE)

Kátia Abreu (PMDB-TO)

Lasier Martins (PSD-RS)

Lídice da Mata (PSB-BA)

Lindbergh Farias (PT-RJ)

Lúcia Vânia (PSB-GO)

Magno Malta (PR-ES)

Otto Alencar (PSD-BA)

Paulo Paim (PT-RS)

Paulo Rocha (PT-PA)

Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Regina Sousa (PT-PI)

Reguffe (sem partido-DF)

Romário (Pode-RJ)

Roberto Requião (PMDB-PR)

Ronaldo Caiado (DEM-GO)

Walter Pinheiro (Sem partido-BA)

Total: 26

 

Ausentes na votação:

 

Em missão oficial à 137 Assembleia da União Interparlamentar e/ou do 3 Fórum Parlamentar do Brics, em São Petersburgo, na Rússia:

Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)

Gladson Cameli (PP-AC)

Gleisi Hoffmann (PT-SC)

Jorge Viana (PT-AC)

Sérgio Petecão (PSD-AC)

 

Na Worldskills, em Abu Dhabi 2017, nos Emirados Árabes Unidos:

Cristovam Buarque (PPS-DF)

Ricardo Ferraço (PSDB-ES)

Armando Monteiro (PTB-PE)

 

Sem justificativa oficial:

Rose de Freitas (PMDB-ES)  
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 19 de Outubro às 08:42
Estranho como a maioria dos políticos se tornam SANTOS de uma ora para outra.
 
david
david - 18 de Outubro às 21:22
Imagine o trabalhador roubar um biscoito no supermercado e botar a culpa na economia? Dizer que está roubando por causa do desemprego? Que desculpa esfarrapada é essa senador! Fazer coisas ilícitas é armação? Senador, até 2018!
 
Antonio
Antonio - 18 de Outubro às 18:33
"Nas favelas, no Senado Sujeira pra todo lado Ninguém respeita a Constituição Mas todos acreditam no futuro da nação"