Para Moro, ministros do STF devem estar frustrados por atuação desvirtuada

"Essa questão transcende a Lava-Jato", afirmou Moro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/10/2017 13:44

Patricia de Melo Moreira/AFP
O juiz federal Sérgio Moro afirmou nesta terça-feira (24/10), que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) devem estar frustrados pelo fato de julgarem processos fora das questões constitucionais, durante o Fórum Estadão Lava-Jato e Mãos Limpas, realizado no auditório do Grupo Estado. "É um desvirtuamento do STF ter que se preocupar com questões concretas. A função do Supremo é discutir questões constitucionais e não ficar se debruçando sobre questões concretas. Imagino a frustração de um ministro, querendo decidir questões para toda a sociedade e em vez disso ter de ficar discutindo busca e apreensão", disse.

Ele também defendeu uma revisão do alcance do foro privilegiado. "Essa questão transcende a Lava-Jato", afirmou Moro. 

Segundo ele, a sociedade tem de refletir se o instrumento está funcionando ou não e, se não, se deve ser mudado. "Nenhuma instituição é perene." 

O fórum é uma realização do Grupo Estado em parceria com o Centro de Debates de Políticas Públicas (CDPP).

Moro saiu em defesa das prisões após condenações proferidas em segunda instância. "Justiça sem fim é Justiça nenhuma." Em julgamento realizado em 2016, o Supremo Tribunal Federal admitiu a execução da pena antes de se esgotarem todos os recursos possíveis aos condenados. 

No entanto, ministros do Supremo têm feito afirmações no sentido de rever a decisão. Em manifestação recente à Corte, a Advocacia-Geral da União (AGU) argumentou que a pena somente deve ser executada depois de esgotados todos os recursos da defesa, o chamado trânsito em julgado.

Moro disse achar "prematuro afirmar que o Supremo pode mudar a questão da prisão em segunda instância". "Alguns ministros podem mudar de opinião... mas acho que existe uma expectativa da sociedade, da imprensa, de que isso não mude. E não tem nada a ver com Lava-Jato", afirmou.

Poderosos soltos


Presente no mesmo evento no Grupo Estado, o procurador da força-tarefa da Operação Lava-Jato Deltan Dallagnol afirmou que o Supremo Tribunal Federal "solta e ressolta corruptos e poderosos". 

Deltan afirmou que "é possível que continue a existir lavagem de dinheiro em grandes proporções pelos meios tradicionais".

Ele criticou a possibilidade de revisão, por ministros do Supremo Tribunal Federal, de decisão em que a Corte admitiu que condenados em segunda instância comecem a cumprir pena. "O dinheiro continua circulando em malas anos depois do início da Lava-Jato. Regras são gestadas no Congresso Nacional para beneficiar políticos. Ministros do Supremo soltam e ressoltam corruptos poderosos. Regras estão sendo gestadas no Supremo Tribunal Federal que implicarão enormes retrocessos na luta contra a corrupção."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
david
david - 24 de Outubro às 14:48
Foro privilegiado, abuso de autoridade, é coisa de terceiro mundo. O que a lava jato está fazendo é muito importante, desde que que a lava jato atinja todos os poderes, inclusivo, o judiciário. Eu não vejo o lava jato atacar o judiciário, por quê? Não entendo isso. Já apareceu denuncias de venda de sentença, juízo soltando empresários corruptos, o próprio supremo soltando corruptos preso pela lava jato, então, o Brasil está uma tremenda bagunça, em todos os poderes, não vamos botar a culpa só no supremo que é demagogia. Essa briga da lava jato com o supremo não fortalece à democracia, só enfraquece. Numa democracia franca que perde mais são as pessoas mais humildes que não tem uma formação técnica e política formada. O que me parece é um teatro eleitoral de pessoas que já estão em campanha fora do tempo para presidente da república.