Lasier Martins tem processo por lesão corporal e injúria arquivado

Desde o início, o parlamentar negou a denúncia e disse que %u201Creagiu para se defender%u201D, pois a jornalista o teria agredido primeiro com um objeto de metal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2017 06:00 / atualizado em 25/10/2017 06:43

Minervino Junior/CB/D.A Press


Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, arquivou a denúncia da jornalista Janice Santos contra o ex-marido, o senador Lasier Martins (PSD-RS), por lesão corporal e injúria. De acordo com a assessoria do parlamentar, a medida foi adotada após relatório do inquérito da Polícia Federal e parecer da Procuradoria-Geral da República concluírem pela inexistência de indício ou prova da autoria da suposta agressão.
 

Janice prestou queixa na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) e realizou exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) de Brasília, em março deste ano, com lesões aparentes pelo corpo. Desde o início, o parlamentar negou a denúncia e disse que “reagiu para se defender”, pois a jornalista o teria agredido primeiro com um objeto de metal. Além disso, afirmou que ela teria forjado as lesões para fazer chantagem.

“Eu me dava muito bem com ela, mas ela tinha um comportamento bipolar que vinha ruindo a nossa relação. Ela me fazia exigências estratosféricas e não se conformou com o fim do nosso casamento. Então, me atacou. E ela mesmo se feriu”, afirmou Martins. O senador diz ter sofrido moralmente com o caso por sete meses. “Eu tinha certeza que teria minha inocência reconhecida. Nunca bati em ninguém. Agora, estou tranquilo”, disse. A defesa de Janice não quis pronunciar-se sobre a decisão.

A denúncia ocorreu após uma discussão, quando a jornalista, supostamente, descobriu uma traição por parte de Martins. Em depoimento, Janice afirmou ter visto uma mensagem no celular do então marido, de uma assessora. Ao questionar o senador sobre as mensagens, ele a teria acusado de “paranoica” e, então, as agressões começaram. Logo após o caso ser registrado, o ministro Edson Fachin acionou medidas protetivas de segurança, com base na Lei Maria da Penha, determinando que o parlamentar deixasse a residência e proibindo-o de se aproximar ou fazer contato com a mulher.

* Estagiária sob a supervisão de Leonardo Meireles
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ROBERTO
ROBERTO - 25 de Outubro às 13:33
BRASIL, O PAÍS DA IMPUNIDADE DOS RICOS E PODEROSOS. CADEIA E PROCESSO SÓ PARA OS POBRES.