Atraso em feriado faz secretaria-geral de Raquel Dodge pedir demissão

Procuradora Zani Cajueiro se posicionou contra a atitude do STF de atrasar o feriado do Dia do Servidor Público

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2017 10:38

Jair Amaral/EM
 
Mais um integrante da equipe montada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, decidiu deixar o cargo. A procuradora Zani Cajueiro pediu demissão do posto de secretária-geral. Apesar do afastamento ainda não estar oficializado, Zani já confirmou a Dodge seu desejo de sair da equipe por conta de "divergências".

Essa é a segunda baixa na equipe de Dodge em pouco mais de um mês. Em setembro, o procurador Sidney Madruga deixou o Grupo Executivo Nacional de Função Eleitoral (Genafe) após ser flagrado em uma conversa com a advogada da JBS. No caso de Zani, o afastamento ocorreu por conta da discordância de uma decisão da Justiça que atrasou o feriado do Dia do Servidor Público

A data é comemorada no próximo sábado (28/10). No entanto, a Diretoria-Geral do Supremo Tribunal Federal (STF) considerou, excepcionalmente, 3 de novembro como ponto facultativo. Com isso, os servidores do Judiciário e outros órgãos públicos vão emendar a folga com o Dia de Finados, que ocorre um dia antes. Zani enviou para Dodge uma manifestação contrária deste medida. 

A procuradora-geral emitiu parecer concordando com a colega. Mas Raquel Dodge se sentiu pressionada por Zani e não poderia ir contra o pensamento da procuradora, para não externar o conflito interno. Mas diante da confusão, a secretária-geral decidiu deixar o cargo. A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que só vai se manifestar após a decisão ser oficializada. O afastamento ainda não foi publicado no Diário Oficial da União.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 26 de Outubro às 12:33
Mas essa atitude não seria o mesmo que legislar em causa própria?
 
José
José - 26 de Outubro às 11:59
É por essa e outras que eu não acredito mais em nada. Quem deveria dar exemplo, não o faz.
 
José
José - 26 de Outubro às 11:37
Isso que é um verdadeiro casuísmo. Se essa moda pega, todo mundo vai querer manipular para proveito próprio as datas comemorativas.