Bélgica poderia oferecer asilo a Carles Puigdemont, diz ministro

Puigdemont foi destituído pelo governo espanhol do cargo de presidente da Catalunha nesta sexta-feira (27/10)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/10/2017 13:07

AFP / Josep LAGO

 

A Bélgica poderia oferecer asilo ao líder separatista catalão Carles Puigdemont, sugeriu o ministro de Imigração belga, em meio à crise política na Espanha. Puigdemont foi destituído pelo governo espanhol do cargo de presidente da Catalunha nesta sexta-feira (27), após o Parlamento da região declarar, unilateralmente, sua independência da Espanha. A procuradoria-geral anunciou que vai apresentar na semana que vem uma queixa-crime contra ele por "rebelião".



O ministro belga de Imigração, Theo Francken, membro do partido separatista flamenco N-VA, questionou se Puigdemont poderá receber um julgamento justo e mencionou que ele poderia obter asilo na Bélgica, se solicitasse, ao ser questionado a sobre essa possibilidade por uma jornalista.

"Não é pouco realista (pensar que a Bélgica poderia proteger Puigdemont), em vista da situação atual", declarou Francken à emissora VTM no sábado.

"Tendo em conta a repressão exercida por Madri e as penas de prisão propostas, cabe questionar-se se ele poderá contar com uma audiência justa nos tribunais".

De qualquer forma, não há indícios de que o dirigente queira abandonar a Catalunha e, neste domingo, o vice-presidente do governo catalão destituído, Oriol Junqueras, afirmou que o presidente da Catalunha "é e vai continuar sendo" Puigdemont.

Em 1 de outubro, a Catalunha realizou um referendo de independência considerado inconstitucional, que o governo central reprimiu com violência policial, desencadeando uma crise política sem precedentes no país. Na última sexta-feira, o Parlamento regional aprovou a declaração unilateral de independência.

Em resposta, o Executivo central dissolveu o governo regional e convocou eleições regionais para dezembro, enquanto a comunidade internacional rechaçou a declaração unilateral do governo e mostrou unidade ao respaldar o presidente da Espanha, Mariano Rajoy.

Reino Unido, França, Alemanha e União Europeia manifestaram firme apoio ao governo espanhol, mas o primeiro-ministro belga, Charles Michel - que governa em coalizão com o partido separatista N-VA -, se mostrou mais comedido em sua resposta, pedindo uma "solução pacífica", com "respeito à ordem nacional e internacional".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.