Aécio retira Tasso Jereissati da presidência interina do PSDB

No lugar do cearense, o mineiro colocou o ex-governador de São Paulo e atual vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2017 16:25 / atualizado em 09/11/2017 17:32

Marcelo Camargo/Agência Brasil

 
O ex-governador de São Paulo e atual vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, assumiu interinamente a presidência do partido depois de o senador Aécio Neves (MG) tirar o senador Tasso Jereissati (CE) do cargo, nesta quinta-feira (9/11). Jereissati ocupava interinamente o posto desde que o mineiro foi afastado, em maio, após a divulgação de gravações nas quais pedia R$ 2 milhões ao empresário e ex-delator da Lava-Jato Joesley Batista.
 

Aécio, que, apesar de licenciado, segue forte dentro da legenda, falou para o cearense que buscava "isonomia" na disputa pela presidência do partido, decisão a ser tomada em dezembro. Tasso concorre à vaga com o governador de Goiás, Marconi Perillo. Aécio foi pessoalmente até o gabinete dele explicar sua decisão, mas também enviou uma carta ao senador destituído.

No documento, ele diz que a decisão ocorreu para “conduzir com imparcialidade a eleição que se dará na convenção nacional marcada para o próximo dia 9 de dezembro”. Goldman teria sido escolhido por não ter se manifestado sobre qual dos dois candidatos deve apoiar.

Segundo o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), a decisão de Aécio é “mais que previsível” e foi tomada por volta das 15h30. “Não sei como o Tasso recebeu essa decisão, mas ela era esperada”. Outros parlamentares também criticaram a decisão. Assista ao vídeo abaixo:

 
Deputado Daniel Coelho (PSDB-PE) diz que Aécio combinou a mudança com Michel Temer e que os integrantes do partido souberam da destituição de Tasso pela imprensa. "Faltou dignidade e respeito". O parlamentar foi aplaudido no plenário da Câmara.
 
Já o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), um dos maiores aliados de Aécio Neves na Câmara, afirma que o partido está dividido. "Mas roupa suja se lava em casa", afirmou, emendando: "o divisor de águas não é o presidente Temer". 
 
Pestana diz que a decisão de Aécio foi um acordo, e não uma ordem. "A decisão não foi unilateral". 

Aécio x Tasso

Após a devolução do mandato de Aécio e o fim da determinação que impunha seu recolhimento noturno, Tasso afirmou que o mineiro “não tinha mais condições de permanecer na presidência da sigla. Aécio replicou, afirmando que sairia se Jereissati fizesse o mesmo.
 

Goldman x Dória

O novo presidente do PSDB tem dificuldades de se relacionar com um de seus mais fortes candidatos atualmente. Alberto Goldman e João Dória (PMDB-SP) começaram a se desentender quando o ex-governador criticou o prefeito de viajar muito ao exterior. “Não temos prefeito. Temos um candidato a presidente da República”, disse Goldman em um vídeo postado em seu Facebook. Ele também criticou a “falta de comprometimento” de Dória com a cidade, sobretudo com o sistema público de saúde. “É um dos piores prefeitos de São Paulo”.
 
João Dória respondeu às críticas também pela internet: em sua conta na mesma rede social, escreveu: “hoje meu recadinho vai para você, Alberto Goldman, que viveu a vida inteira na sombra do Orestes Quércia e do José Serra. Você é um improdutivo”. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.