Aécio Neves admite que PSDB deve deixar base do governo Temer

Em convenção do partido em Belo Horizonte, senador afirma que há um convencimento de que está chegando o momento de sair do governo do PMDB

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2017 17:28 / atualizado em 11/11/2017 17:39

Marcos Vieira/EM/DA Press

O presidente afastado do PSDB, senador Aécio Neves, admitiu neste sábado, durante convenção estadual do PSDB em Belo Horizonte, que já existe um consenso na legenda de que está chegando o momento de deixar a base de apoio do presidente Michel Temer (PMDB).

“Há um convencimento de todos nós de que está chegando o momento da saída (do governo Temer). Mas quero sugerir aos dois candidatos (à presidência do PSDB), o governador Marconi Perillo e o senador Tasso Jereissati, que convoquem os ministros do PSDB para definir o momento da saída. Vamos sair pela porta da frente, da mesma forma como entramos”, afirmou Aécio.

O tucano, no entanto, ressaltou que essa discussão está sendo alimentada dentro do partido por parlamentares que não querem defender reformas implementadas pelo Palácio do Planalto, especialmente a reforma da previdência. Aécio afirmou que no início do governo Temer defendeu que o PSDB não participasse do governo, mas que a decisão de assumir ministério foi tomada pela maioria da legenda.

“A minha posição era de apoiar as reformas, mas sem participar do governo naquela época. O partido entendeu diferente. Agora, não posso aceitar essa pecha de que a presença do PSDB é fisiológica como se tem dito por aí. Ela não é. Vejo nessa discussão, de alguns que estão com a garganta pronta para gritar Fora Temer, uma desculpa para não se votar a agenda de reformas necessárias para o país”, disse o senador.
 

Convenção estadual 


Durante o encontro, o senador tucano garantiu que estará nas urnas em 2018. Questionado sobre qual cargo ele deve disputar em 2018, uma vez que encerra seu mandato como senador, Aécio afirmou que disputar uma vaga na Câmara dos Deputados está “fora de cogitação”.

O deputado Domingo Sávio foi reeleito para a presidência do PSDB estadual nos próximos dois anos e seu vice, o deputado Paulo Abi-Ackel, também foi reeleito. No evento, os tucanos criticaram muito o governador Fernando Pimentel (PT) e defenderam uma união do PSDB para retomar o Palácio da Liberdade em 2018.

Abi-Ackel afirmou em discurso que Aécio Neves seria o nome ideal do partido para a disputa de governador no ano que vem, mas depois voltou atrás e avaliou que a legenda tem outros bons nomes.

Aécio fez um discurso inflamado atacando a gestão petista em Minas e encerrou dizendo que vai percorrer Minas Gerais para defender as realizações de seu governo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.