VÍDEO: livre por decisão do STF, José Dirceu é visto sambando em festa

Nas imagens, que teriam sido gravadas por um convidado do evento, o ex-ministro aparece dançando cercado por amigos, entre eles o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, condenado no Mensalão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2017 20:40 / atualizado em 13/11/2017 20:55


 
O ex-ministro José Dirceu está aproveitando bastante a liberdade que lhe foi concedida em maio deste ano pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Acusado de vários crimes relacionados ao esquema do Mensalão e da Operação Lava-Jato, o petista foi filmado sambando durante uma festa no último fim de semana. O vídeo viralizou e gerou uma enxurrada de comentários e críticas nas redes sociais.
 

A comemoração seria pelo aniversário da mulher de Dirceu. Nas imagens, que teriam sido gravadas por um convidado do evento, o ex-ministro aparece dançando cercado por amigos, entre eles o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, também condenado no Mensalão e posteriormente anistiado pelo STF.

Dirceu foi solto em maio, após passar 1 ano e oito meses cumprindo prisão preventiva por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava-Jato. Por 3 votos a 2, a maioria dos ministros do STF entendeu que, pelo fato de o ex-ministro não ter tido o julgamento final, a prisão temporária deveria ser substituída por medidas cautelares, como monitoramento por tornozeleira eletrônica.
 
À época, os ministros Dias Toffolini, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes votaram pela liberdade de Dirceu. Já o relator da Lava-Jato, Edson Fachin, e o decano Celso de Mello, votaram pela manutenção da prisão do ex-ministro, por entenderem que ele representa perigo à ordem pública. O petista foi condenado a 23 anos de prisão pelo juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro. 

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o advogado de Dirceu, Roberto Podval, disse que o ex-ministro "está em liberdade e tem o direito de comemorar".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.