Publicidade

Estado de Minas

Fernando Segóvia assume a direção da PF prometendo combate à corrupção

Segóvia tomou posse no Ministério da Justiça nesta segunda-feira e disse que pretende melhorar a relação entre a PF e o Ministério Público


postado em 20/11/2017 11:11 / atualizado em 20/11/2017 12:10

Ministro da Justiça empossa novo diretor-geral da Polícia Federal(foto: Ronaldo Caldas/MJSP)
Ministro da Justiça empossa novo diretor-geral da Polícia Federal (foto: Ronaldo Caldas/MJSP)
 
O novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, foi empossado na manhã desta segunda-feira (20/11), no Ministério da Justiça, em Brasília. Ao receber o cargo do presidente Michel Temer, fez um discurso enfático, no qual prometeu  combater a corrupção, como adiantou ao Correio em entrevista no último domingo.

Diversas autoridades acompanharam a cerimônia, entre eles o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o presidente do Senado, Eunício Oliveira. Ao deixar o cargo, o antigo diretor, Leandro Daiello, nformou estar se aposentando e ressaltou os trabalhos realizados pela instituição em sua gestão.
 
"Para alcançar o objetivo de muitas batalhas, temos que abrir mão de momentos pessoais. Nestes anos, adquirimos tecnologia, investimos em operações, equipamentos e em capital humano. Saio com a certeza de que vou olhar para trás e ver que meu dever foi cumprido", discursou Daiello.

 
Relação com o MPF 

 
Fernando Segóvia, por sua vez, disse que o combate à corrupção será sua principal bandeira à frente da PF. "O combate à corrupção será a principal linha de atuação da Polícia Federal. Mas vamos combater com a mesma força o crime organizado e os crimes eleitorais", disse, antes de mencionar a relação com o Ministério Público Federal: "Hoje, infelizmente, existe uma disputa entre a PF e o MPF. Mas vamos trabalhar para que isso mude".
 
Em um tom mais politizado, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse que as investigações não podem ser baseadas em ilações e destacou os desafios da corporação na nova gestão. "A polícia não pode atuar com base em ilações. Isso só prejudica quem está atuando em nome do Estado. Temos ainda o desafio de ter uma polícia com novas tecnologias, novas estratégias e aliada com o século 21", defendeu.

Presente durante toda a cerimônia, o presidente Michel Temer optou por não falar. Ele chegou, cumprimentou Segóvia, mas abriu mão do discurso na posse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade