Publicidade

Estado de Minas

Polícia Federal prende Garotinho e Rosinha no Rio de Janeiro

Os dois são acusados, junto a mais seis pessoas, de integrarem uma organização criminosa que arrecadava recursos ilícitos com empresários


postado em 22/11/2017 09:29 / atualizado em 22/11/2017 10:03

Ambos foram presos pela Polícia Federal de Campos, ao norte da cidade carioca(foto: Tasso Marcelo/AE - Arquivo 06/03/2009)
Ambos foram presos pela Polícia Federal de Campos, ao norte da cidade carioca (foto: Tasso Marcelo/AE - Arquivo 06/03/2009)


A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (22/11), a operação "Chequinho", mirando os ex-governadores do Rio de Janeiro Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho. Oex-governador foi preso em seu apartamento, na praia do Flamengo, Zona Sul da cidade, enquanto sua esposa foi encontrada em casa, em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.
 
Os dois são acusados, junto a mais seis pessoas, de integrarem uma organização criminosa que arrecadava recursos ilícitos com empresários. A ideia era que esse dinheiro fosse usado para financiar as próprias campanhas eleitorais e a de aliados. De acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo, outros alvos da operação são o ex-secretário do governo de Rosinha e o ex-minitro dos transportes Antônio Carlos Rodrigues.

O esquema de repasses ilícitos foca a campanha de 2014 e foi delatado pelo diretor de Relações Instituicionais da JBS, Ricardo Saud. Segundo ele, o valor teria sido de R$ 2,6 milhões, via caixa dois, à camapanha de Garotinho.  A operação Chequinho investiga a compra de votos em troca de cadastro no programa "Cheque Cidadão"

 

O município de Campos dos Goytacazes foi administrado por Rosinha por dois mandados consecutivos, entre 2009 e 2016. Um dos alvos da operação é um ex-secretário de Rosinha, cujo nome não foi revelado. Os agentes fizeram buscas em sua casa e ele foi levado para a sede da polícia federal na cidade. 

 

A Operação Chequinho investiga um esquema de compra de votos em Campos. Segundo o Ministério Público Estadual, em troca dos votos, a prefeitura oferecia inscrições fraudulentas no programa Cheque Cidadão, que dá R$ 200 por mês a cada beneficiário. 

 

A operação começou em setembro do ano passado, quando o MPE e a PF viram um "crescimento desordenado" do Cheque Cidadão. Em apenas dois meses, o número de inscritos passou de 12 mil para 30 mil. Desde então, a operação prendeu vereadores, eleitores e outros envolvidos no caso. Todos já foram soltos. 

 

Anthony Garotinho chegou a ser preso no início do ano, enquanto apresentava seu programa de rádio diário, mas teve a reclusão revertida em prisão domiciliar. Para obter o benefício, a Justiça determinou uma multa de R$ 200 milhões. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade