Publicidade

Estado de Minas

Em Brasília, Pezão diz que situação polêmica na Alerj vai acabar bem

O peemedebista está em Brasília nesta quarta-feira (22/11) para reuniões com ministros e governadores


postado em 22/11/2017 16:37

(foto: Bernardo Bittar/CB/DA Press)
(foto: Bernardo Bittar/CB/DA Press)
 
Em visita à Câmara dos Deputados, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), investigado na Lava-Jato, afirmou que a situação da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) "vai ficar bem". Semana passada, três deputados fluminenses foram presos acusados de cometer diversos crimes, entre eles lavagem de dinheiro e associação criminosa. O peemedebista está em Brasília nesta quarta-feira (22/11) para reuniões com ministros e governadores.

 
Nesta terça, a Justiça fluminense determinou o reestabelecimento da ordem de prisão dos deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB carioca, acusados de usar a Presidência da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.
 
Eles foram presos em 16 de novembro, por determinação da Justiça, e soltos um dia depois, por força do voto dos deputados do Rio. O argumento era que, para ser preso, o parlamentar precisa ser pego em flagrante cometendo crime inafiançável. Caso contrário, a detenção depende de autorização do Parlamento.
 
O Judiciário recorreu e, ontem, o desembargador Paulo Espírito Santo afirmou que, caso necessário, pediria intervenção federal para que a ordem fosse cumprida.
 

Garotinho

Além de minimizar a situação da Alerj, o governador também não comentou em detalhes a prisão do ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ), dizendo não saber "nem porque ele foi preso". Pezão afirmou, entretanto, que “todos os que estão presos têm direito à defesa”, pois "estamos em um país democrático".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade