TRF-2 nega dois recursos que tentavam autorizar a posse de Cristiane Brasil

Os recursos foram apresentados no TFR-2 após a desistência do governo de recorrer diretamente ao Supremo Tribunal Federal (STF), temendo uma derrota

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/01/2018 20:19 / atualizado em 10/01/2018 20:30

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

 
O juiz substituto do Tribunal Regional Federal da 2º Região (TRF-2), Vladimir Vitovsky recusou na noite desta quarta-feira (10/1) os pedidos feitos pela Advocacia Geral da União (AGU) e pela defesa de Cristiane Brasil de manter a posse da deputada como nova ministra do Trabalho. Com isso, a parlamentar e filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson continua impedida de assumir o cargo na Esplanada. 
 

 
Cristiane Brasil foi condenada em uma ação trabalhista a pagar e R$ 60 mil em indenização para um ex motorista da família. Em outro processo, teve que fazer um acordo para impedir uma nova condenação. Para isso, foi obrigada a pagar R$4 mil para outro  motorista das empresas da família. 

Na segunda-feira (8/1), o  juiz Leonardo da Costa Couceiro, titular em exercício da 4ª Vara Federal em Niterói, no Rio de Janeiro, suspendeu liminarmente a posse da deputada como ministra do Trabalho. A liminar foi concedida em resposta a uma ação popular do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes. A entidade diz que a nomeação da parlamentar “ofende a moralidade administrativa”.
 

"Até o fim" 

Mais cedo, em entrevista ao programa CB.Poder — uma parceria do Correio com a TV Brasília —, Roberto Jefferson disse que iria "lutar até o fim" para garantir a posse da filha.  O político, que, após ser envolvido em um episódio de corrupção, deu início a uma série de denúncias que levou ao caso do Mensalão, está convencido de que "os ataques" a Cristiane buscam, na verdade, atingi-lo, e culpou o PT, "a esquerda" e a Rede Globo pelas denúncias sobre descumprimento da lei trabalhista e que tiraram, pelo menos momentaneamente, o cargo da filha. 

"O alvo não é a Cristiane, sou eu. O PT não me perdoa", afirmou, antes de acrescentar que não deixará a filha "pagar pelos pecados do pai". Segundo ele, Cristiane tinha uma reeleição garantida este ano e acabou tendo a imagem seriamente prejudicada. "Ela tinha uma reeleição garantida, agora virou a bruxa malévola de um motorista." 
 
Confira a entrevista na íntegra: 
  
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.