Publicidade

Estado de Minas

Será feito ' julgamento de fatos', diz desembargador Gebran Neto

O desembargador João Pedro Gebran Neto fez um resumo do caso e dos argumentos da acusação e da defesa no julgamento do recurso apresentado pelo ex-presidente Lula, sobre o triplez no Guarujá


postado em 24/01/2018 09:53 / atualizado em 24/01/2018 10:42

Em sua fala, Gebran Neto afirmou que o será feito um
Em sua fala, Gebran Neto afirmou que o será feito um "julgamento de fatos", não cabendo ao tribunal julgar a vida pregressa das pessoas (foto: Sylvio Sirangelo/TRF4)

Relator da Operação Lava-Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no processo do triplex do Guarujá (SP), o desembargador João Pedro Gebran Neto fez um resumo do caso e dos argumentos da acusação e da defesa ao ler o relatório do recurso apresentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele enumerou as alegações da defesa do ex-presidente, que defendem ter havido cerceamento da defesa pela não juntada de documentos, omissão e contradição na sentença.


Em sua fala, Gebran Neto afirmou que o será feito um "julgamento de fatos", não cabendo ao tribunal julgar a vida pregressa das pessoas. "Não estamos fazendo julgamento que não seja daqueles fatos que estão dentro da denúncia e dentro do processo", afirmou. No tempo de seu discurso inicial, ele também leu trecho do processo que cita que o Ministério Público Federal (MPF) recorreu da decisão do juiz Sérgio Moro e pede a condenação de alguns dos réus absolvidos e também pelo aumento da pena do ex-presidente Lula.

Entenda

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, julga hoje o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A apelação é contra a condenação a 9 anos e 6 meses de prisão no caso do triplex do Guarujá – aplicada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, em Curitiba (PR).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade