CAPA

Bicicleta prêt-à-porter

Subir no selim e ganhar o mundo não cabe mais no rótulo de esporte ou de entretenimento. Em um mundo congestionado, pedalar é uma atitude e um gesto de consciência. Nunca as magrelas foram tão elegantes.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/08/2010 15:37 / atualizado em 28/08/2010 17:18

Reprodução da internet

 

Por Luiz Prisco, especial para o Correio

Haverá um dia em que o ser humano cruzará as cidades a bordo de um veículo leve, prático, barato, silencioso, não poluente e, sem dúvida, charmoso. Sim, porque o atributo da elegância, nos dias que correm, não está desvinculado da correção ecológica — da mesma forma que a praticidade não prescinde da beleza. Na verdade, essa pequena obra-prima do design já circula entre nós há mais um século e com as características de sempre: pedais, guidão, selim, corrente, quadro e cestinha.

bicicleta é o estado zen dos meios de transporte. E quem acha que isso é papo de bicho-grilo está enganado. Agora, passear pela cidade com o camelo é cool. Essa é a bandeira do cycle chic, tendência urbana que permite aos ciclistas usarem e abusarem do estilo na hora de pedalar. Seus adeptos pregam que a bike deve estar dentro do guarda-roupas, ou seja, incorporada ao cotidiano. Ir à faculdade, ao trabalho, ao shopping, às baladas — todos esses itinerários podem ser feitos sobre duas rodas.

Essa mudança de mentalidade tem outras implicações. O uniforme do ciclista urbano, por exemplo, é basicamente composto de calça jeans ou bermuda e camisetas estilosas. Pedalar deixou de ser uma atividade exclusiva de atletas. Circular pra lá e pra cá na bike é uma atitude sustentável e (pós) moderna, como se pode observar em diversas capitais europeias. Em Berlim, Paris e Amsterdã, as bicicletas já rivalizam com os carros.

Na Dinamarca, 40% da população utiliza a bicicleta como meio de transporte. Não é à toa que o país nórdico é considerado o berço do cycle chic. O termo começou a se popularizar graças ao fotógrafo e cineasta dinamarquês Mikael Colville-Andersen, responsável blog Copenhagen Cycle Chic. Lançado em 2006, o site divulga fotos de pessoas que pedalam com estilo.

Duas rodas chiques e casuais

Gustavo Moreno/CB/D.A Press
A embaixatriz da Dinamarca no Brasil, Anne-Marie Overbye, mudou-se para o Brasil e trouxe a bicicleta na bagagem. “Ando de bike desde pequena. Todas as crianças dinamarquesas aprendem a pedalar desde muito cedo”, afirma. Ela diz que só consegue enxergar vantagens no uso do meio de transporte. “Andar de bicicleta é também um excelente exercício, que ajuda a manter a forma”, comenta.

A embaixatriz afirma que Brasília é uma cidade perfeita para pedalar. “É tudo plano e nós ainda temos uma vista maravilhosa nas pistas próximas ao Lago Paranoá”, opina. Sua única ressalva é quanto ao trânsito da capital. “O problema é que temos poucas pistas exclusivas para bicicletas. Isso diminui um pouco o prazer da atividade, pois você está sempre preocupado com os carros.”

O Compenhagen Cycle Chic também conquistou a blogueira paulista Verônica Mambrini. Apaixonada por moda, ela criou o blog Gata de Rodas (veja box com links), no qual partilha suas experiências como ciclista estilosa (ela ensina, por exemplo, a equipar a bicicleta para fazer comprinhas). “Existe uma cultura mundial ao redor disso. As pessoas estão redescobrindo a bike, ela virou algo vintage e eu adoro esse estilo”, explica.

Verônica faz questão de ressaltar que o Cycle Chic não é só uma questão ligada à roupa, mas um modo de vida. “Isso não pode virar um fetiche. O lance não é estar na moda, a ideia é usar as roupas do dia a dia para pedalar”, conta. E, para Verônica, quase todas as roupas são “pedaláveis”. Porém, ela faz algumas ressalvas. “Não acho interesante o uso de saias lápis, vestidos envelope, minissaias e calças muito justas. Elas sempre atrapalham.” A blogueira garante que o salto alto não interfera nas pedaladas, mas recomenda sapatos que prendam no calcanhar.

O que vestir na pedalada?
1. Roupas confortáveis são recomendáveis
2. Evite calças justas
3. Minissaias podem mostrar mais do que deveriam
4. Lenços ajudam a proteger o cabelo
5. Os calçados devem prender os calcanhares
6. Flanelas são úteis para trocar correntes e pneus
7. Existem luvas que ajudam a evitar calos
8. Um capacete estiloso dá o toque final

Dicas de segurança para o ciclista:

1. Seja educado
2. Obedeça as leis de trânsito
3. Sempre sinalize suas intenções
4. Use roupas claras ou chamativas
5. Mantenha os refletores limpos
6. Evite ruas e avenidas movimentadas
7. Mantenha-se à direita e na mão de direção
8. Não faça zig-zag
9. Aprenda a ouvir o trânsito

Fonte: Escola de Bicicleta / Curitiba Cycle Chic / Gata de Rodas

Bikes no ciberespaço
www.copenhagencyclechic.com
gataderodas.blogspot.com
curitibacyclechic.blogspot.com
www.velib.paris.fr
www.bicing.cat
www.levelostar.fr
www.rodasdapaz.org.br
www.pedala.df.gov.br
www.bicicletalivre.unb.br

Leia a íntegra desta matéria na edição 276 da Revista do Correio