NEURÔNIOS EM DIA

Os animais podem nos ensinar alguma coisa sobre o casamento?

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/01/2015 11:15 / atualizado em 29/01/2015 10:34

 

 

 

 

 

Por Ricardo Teixeira*

 

Noventa por cento das espécies de aves mantêm a condição de casal para criar os filhotes, enquanto apenas 3% dos mamíferos fazem o mesmo. Não é difícil explicar, já que, para o individuo chocar um ovo, o parceiro ou a parceira tem que garantir a comida. O pinguim macho, por exemplo, reveza o cuidado do ovo com a fêmea.

 

Algumas espécies de mamíferos precisam do apoio do companheiro / companheira para garantir a comida, como é o caso das raposas que não saem da toca, pois amamentam os filhotes quase sem intervalos. Os primatas não são tão bons pais assim, mas os saguis fogem à regra.

 

Entretanto, o “casamento” dos animais não costuma durar pra sempre. Quando o filhotinho levanta voo ou quando a raposinha sai da toca a parceria termina. Existem sim alguns animais que raramente se divorciam. Exemplos: lobos, cisnes, pinguins, gibões, ratos silvestres da pradaria, baratas, águias brancas, castores. No Brasil os casamentos duram em média 15 anos.

 

*Dr. Ricardo é doutor em neurologia pela Unicamp e diretor clínico do Instituto do Cérebro de Brasília. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.