FAÇA VOCÊ MESMO

Das coisas nascem coisas

Dar nova utilidade a materiais e objetos que seriam descartados é divertido. Eis aqui dois projetos para sair da teoria para a prática

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/02/2015 08:00 / atualizado em 30/01/2015 16:17

Olívia Meireles - Especial para o Correio /Especial para o Correio

Para aproveitar as últimas horas de férias, o fim de semana ou até mesmo o feriado de carnaval, coloque as crianças para transformar objetos descartados em divertidas brincadeiras. O designer Daniel Galvão, nome por trás do Blog do Inventeiro (www.blogdoinventeiro.com), empresta a sua criatividade: nas mãos dele, um cabide pode se transformar em um porta-celular, e uma folha de papel, em um disco voador. "Esse tipo de atividade é importante para ensinar as crianças a serem mais responsáveis com o lixo que produzem", acredita. Por isso, há dois anos, ele posta projetos que desafiam o senso comum e dão novo propósito a um material que seria descartado. Dois deles foram explicados passo a passo na Revista. Separe o material e ajude a criançada a executar a ideia.



Porta-celular

 

Um cabide de lavanderia pode ganhar outra função com simples dobras no metal

 



Material

1 cabide

1 alicate

1 novelo de lã

Como fazer

1. Desmonte o cabide e tire o plástico colorido que envolve o arame.

 



2. Dobre o metal com a ajuda de um alicate. Vá manipulando de maneira linear. Comece com o gancho para prender na ventilação e vá fazendo os suportes necessários para segurar o telefone: dois nas laterais e um embaixo.

 

 

 

3. A ideia é que, no fim, seja formado um "T". Termine fazendo o segundo gancho de encaixe. Use o próprio aparelho como molde. Não se esqueça de deixar o espaço para a saída de fios.

 

 


4. Para finalizar, enrole o fio de lã por todo o arame: a ideia é dar um acabamento mais interessante. Arremate com fita isolante nas pontas.

 

 

 


A matéria completa para assinantes está aqui. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.