Comportamento

Qual é a sua frequência afetiva?

Exigir demais dos amigos não é bom, nem para você nem para eles. O tempo que leva até o próximo encontro com pessoas queridas não precisa ser encarado como martírio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/03/2015 08:00 / atualizado em 17/03/2015 11:24

	Maurenilson Freire/CB/D.A Press

Você sabe o que é frequência afetiva? Embora o conceito não exista na literatura médica, o termo é usado coloquialmente para definir o intervalo em que você se encontra com as pessoas que gosta. Sabe aquele amigo que costumava ser próximo, mas que agora você só consegue encontrar com algum intervalo de tempo? Então: o período que se passa até um novo contato é a frequência afetiva do relacionamento. Conversamos com alguns psicólogos para saber se o fenômeno é comum e até que ponto se confunde com carência, esse um termo bem conhecido tanto por especialistas quanto por quem convive com alguém que cobra atenção em excesso.

Para tentar explicar um pouco melhor o conceito, usaremos o exemplo de Mayara Leporace Haddad, 21 anos. Na época da escola, a estudante tinha um grupo de melhores amigas inseparáveis. As meninas cresceram juntas e dividiram todas as descobertas ao longo dos anos. "Ainda temos contato, mas não todos os dias, como no tempo da escola", detalha. A internet veio como uma importante ferramenta para ajudar a manter a amizade. Depois de oito anos, todas conseguiram encontrar um espaço na agenda para relembrar as memórias da infância.

O palco do reencontro foi o Parque da Cidade, em fevereiro. "Foi como se estivéssemos sem nos ver pelo período das férias", conta. "Lembramos todas as histórias e foi ótimo saber o rumo que a vida de cada uma tomou, quem se casou, quem teve filhos." Embora os encontros tenham se tornado bastante esparsos, elas conseguem manter a amizade. A promessa, agora, é sacramentar os encontros a cada seis meses.

A matéria completa para assinantes está aqui. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.