PONTO A PONTO

S.O.S. espinhas

Perfil de dermatologista norte-americana vira febre entre brasileiros. Médica dá dicas de como espremer cravos e espinhas de forma segura em casa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/05/2015 08:00 / atualizado em 18/05/2015 12:32

Renata Rusky /Revista

 

 

 

 

Na última semana, um perfil do Instagram começou a fazer sucesso entre os brasileiros. Sandra Lee é médica dermatologista e criou a conta na rede social para divulgar seu trabalho. Nele, posta vídeos em que extrai cravos, pus de espinhas e até cistos sebáceos. A ideia pode soar nojenta, mas o fato é que mais de 130 mil pessoam acompanham as publicações diárias de Sandra. E o número não para de crescer.

 

O nome da conta, portanrto, não poderia ser outro: Dr. Pimple Popper (@drpimplepopper). Em bom português:doutora espremedora de espinhas. O interessante é o misto de repulsa e prazer que muitos sentem ao assistir aos vídeos. Procurada pela Revista, a médica disse até que estava surpresa com a quantidade de brasileiros que a seguem.

 

Rotina de trabalho

"Eu me considero uma dermatologista cirúrgica, pois faço, principalmente, cirurgias de câncer de pele e estéticas. Eu também aplico botox, preenchimento e outros procedimentos cosméticos, como lifting e lipoescultura."

Dia a dia no Instragram

"Vivo em um certo grau de exposição porque participo de programas de tevê e dou muitas entrevistas aqui (Estados Unidos). Essa foi uma forma de mostrar o que eu faço no trabalho diariamente."

Sucesso na rede

"Eu não imaginava que tanta gente estaria tão interessada em me assistir, especificamente, estourando espinhas, espremendo cravos e removendo cistos, mas esses são os procedimentos mais assistidos na minha rede social. Comecei a entender que existe uma comunidade de pessoas que, secretamente, adoram espremer espinhas e vê-las sendo espremidas. Cravos são como flocos de neves. Nenhum é exatamente igual. Algumas pessoas ficam enojadas, outras hipnotizadas."

 

 

 

 

 

 

 

Leia a reportagem completa na edição nº 522 da Revista do Correio.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.