MODA

Na vida real, a moda é bem diferente da apresentada nas passarelas

A Revista convidou um trio de mulheres bem resolvidas para falar sobre estilo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/08/2015 08:00 / atualizado em 17/08/2015 18:29

Carolina Samorano

Nas passarelas e nas capas de revistas, é tudo mais ou menos homogêneo. A mulher da temporada é forte e colorida. Ou sóbria, em tons de cinza e cáqui. Ou feminina e fã dos pastéis delicados. Para nossa sorte, no entanto, na vida real não é assim que funciona a relação com a roupa. Existe a mulher que abomina saltos altos — inclusive os da temporada — ou que preferirá sempre um short jeans às saias bufantes da estação. Ou ainda aquela que admira tudo isso nas vitrines, mas sabe que no seu escritório sisudo pouco ou nada do que enfeita os manequins terá serventia.

A moda, muitas vezes, é sobre padronizar. Cores, comportamentos, aparências. Separar o que dessa avalanche de novas tendências se encaixa ou não no seu estilo requer autoconhecimento e maturidade em assunto de guarda-roupa. Pode levar anos até você aceitar que se equilibrar sobre 15cm não é realmente para você. Ou que cores e estampas ficam muito melhores penduradas em cabides, em araras de lojas, do que no seu corpo. E, nesse processo, às vezes, você percebe que as colegas de trabalho, as meninas da festa ou aquela vizinha superestilosa são melhores ícones de moda para você do que a celebridade que lança tendências. Por isso, nesta edição, a Revista convidou três mulheres bem resolvidas para falar sobre moda e estilo, com lições que, acreditamos, valem mais do que as passarelas, sozinhas, conseguem passar.

LUÍSA PELEJA

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press.

Empresária, Social marketing, Instagrammer
24 anos
"O tempo que eu levo para me arrumar depende da pressa. Se eu tenho tempo, demoro bastante. Se não, escolho uma roupa mais prática e consigo ser rápida. O meu guarda-roupa é superfeminino. Poá é uma estampa que é a minha cara. Tudo o que tem bolinha eu adoro. Também gosto de vestidinhos, saias rodadas, cintura marcada. E gosto bastante de acessório."

 

Confira entrevista com Luísa.

 

ELISABETH BRAGA

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press.

Servidora pública
50 anos
"Eu já tive um estilo diferente. Quando tinha 30 anos, queria ser séria, usava cores neutras. Até óculos de grau sem lente eu tinha, para passar essa impressão. Com o tempo, eu fui aprendendo a dar mais leveza à roupa de trabalho e a usar cores e estampas. Eu gosto de acompanhar as tendências, porque toda mulher quer saber. Mas nem tudo eu compro. Aprendi a selecionar."


Confira entrevista com Elisabeth.

 

LARISSA CUNEGUNDES

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press.

Jornalista e produtora de moda
25 anos

"Hoje, eu faço compras de acordo com o que eu preciso no momento e o que tem a ver comigo. Se uma peça está muito em alta, mas não tem a minha cara, não compro. Mas o tops cropped, por exemplo, que são tendência agora, eu gosto e uso. Mas não costumo comprar o que não tem espaço no meu guarda-roupa ou o que eu já tenho. Também aprecio acessórios, mas invisto mais em lenços e sapatos do que em bijuterias. Batom colorido também é uma marca registrada minha."

Confira entrevista com Larissa.

 


A matéria completa para assinantes está aqui. Para assinar, clique aqui.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.