Publicidade

Estado de Minas PHOTO & GRAFIA

O poeta que virou cerva


postado em 27/09/2015 08:00 / atualizado em 25/09/2015 20:28

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)

O escritor mais conhecido da cidade, Nicolas Behr, resolveu lançar seu livro mais recente, Brasilyrik, de uma maneira diferente. Sábado passado, ele promoveu, no seu viveiro Pau-Brasília, a Septemberfest. Honrando os antepassados alemães, fez uma minioktoberfest em setembro.
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)

O livro tem seus poemas em versão bilíngue: português-alemão. E teve muita cerveja. Só não podia ser uma qualquer: o mestre cervejeiro Fábio Caldas, com orientação do Nicolas, estudioso do cerrado, desenvolveu quatro rótulos: a pale de assa peixe; a weizen com baunilha do cerrado; a amber de buriti; e a porter de sucupira — deliciosas edições limitadas da Käfer Cervejas Artesanais.

Já a Candanguice produziu taças especiais para a ocasião, além de mimos inspirados no poeta. Tinha até um bonequinho do Nicolas. A colônia alemã marcou presença, assim como ícones da cultura candanga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade