Encontro com o Chef

Bolo caseiro tem sabor de infância e costuma trazer as melhores lembranças

Uma chef mineira usa receitas de família para alcançar o sabor único da casa de fazenda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/08/2016 15:55 / atualizado em 24/08/2016 17:11

Minha primeira experiência fazendo bolo aconteceu há um mês. O domingo anoitecia e eu, no supermercado, decidi comprar os ingredientes para o clássico "cenoura com chocolate", temeroso de que a empreitada rendesse uma massinha solada e sem graça. Acabou que deu certo — quem quiser tirar a prova, pretendo fazer mais um hoje. Mas, essa conversa toda foi justamente para dizer que, durante um bom tempo, eu temia fazer bolos por achar que não teria o talento da minha avó, que fazia deliciosos ao mesmo tempo que dava conta de mais outras mil tarefas.

Bolo, para mim, tem de ser simples. Prefiro mil vezes um exemplar singelo para acompanhar um café forte que aquelas montanhas de sabores diferentes que, mesmo sendo obras de arte, afugentam quem, como eu, quer fazê-los em casa. Por isso que a cultura boleira de Minas me parece tão interessante. Tereza Cortês, do Café Uai Bezinha!, nasceu em Vazante, cidade que fica a cerca de 527km de Belo Horizonte. Já são cinco anos moldando esse projeto que resgata sua infância na roça por meio de delícias variadas.

Assim, ela procura não só oferecer receitas tradicionais da culinária do estado, como o pão de queijo, mas bolos que trazem no sabor um saudosismo familiar. Um dos exemplos é o Mané Pelado, cuja receita você confere hoje. Feito de mandioca, queijo e coco, o quitute traz muitas recordações gostosas. "Havia todo um ritual para fazer aquele bolo. A mandioca era colhida no quintal, ralada e espremida, depois misturada aos outros ingredientes. Lembro que a minha mãe levantava a massa e você via a puxa do queijo. São tantas lembranças, além do que, tem um sabor bem diferente de um bolo de padaria."

Ela conta que esses itens eram servidos principalmente nos lanches, fosse pela manhã ou à tarde. "Mas há várias famílias mineiras que os comem também no café da manhã. Eu costumo ficar com os salgados cedinho, como pão de queijo, biscoito de queijo e broa temperada", conta. Para Tereza, a comida é uma forma de manter-se perto da cidade onde nasceu, além de ser uma forma de celebrar as origens.

"Meu maior objetivo é resgatar a cultura mineira em Brasília. Isso, por meio do amor aos princípios nos quais fui criada, com a minha família, no campo. Porque eu sou apaixonada pelo jeito de ser do mineiro: pacato, comedido, discreto e, acima de tudo, hospitaleiro e de bem com ele próprio", resume. Para Tereza, bolos simples como os que são comuns na mesa diária do mineiro são gostosos, saudáveis e sem mistério. "A simplicidade pode ser sinônimo de qualidade. Receitas como essa facilitam a vida de quem está querendo começar a fazer bolos em casa."
 
Bolo Mané Pelado
Zuleika de Souza/CB/D.A Press


Ingredientes
1kg mandioca
5 ovos
2 xícaras de açúcar cristal
1 pitada de sal
1 colher de sopa de manteiga
200ml de leite de coco
200g de queijo
100g de coco em flocos
1 colher de sopa de fermento para bolo

Modo de fazer
Lave bem a mandioca, descasque, rale e reserve. Em um processador, bata bem os ovos, o açúcar, o leite de coco, a manteiga e o sal. Despeje em uma bacia a mandioca ralada e a mistura do processador. Acrescente o coco e o queijo. Em seguida, o fermento, mexendo levemente. Unte uma forma redonda para bolo ou assadeira (como preferir), despeje a massa, asse em forno pré-aquecido a 150ºC. Desenforme depois de frio e sirva.

Rendimento: 1 bolo
Tempo de preparo: 1 hora
 
Serviço
Café Uai Bezinha!
Endereço: SCLS 311, Bloco B, Loja 37
Telefone: 3543-1000
 
A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.