NEURÔNIOS EM DIA

Um bom livro é capaz de aumentar nosso grau de empatia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/09/2016 08:00 / atualizado em 02/09/2016 18:21

Kleber Sales/CB/D.A Press
 

Por Ricardo Teixeira*

 

A psicóloga social Emanuele Castano, junto ao seu aluno de PhD David Kidd, publicaram há três anos na revista Science os resultados de suas pesquisas que demonstram o quanto que uma boa leitura é capaz de estimular as habilidades sociais.

Voluntários eram solicitados a ler trechos de diferentes gêneros: não ficção, ficção popular (romance, aventura), ficção literária (premiados), Em seguida faziam testes que avaliavam a capacidade de entender o que o outro está sentindo.

Além de mostrar que histórias de ficção aumentam a percepção das emoções de outras pessoas, a pesquisa ainda evidenciou que a qualidade da literatura também faz diferença. Os textos literários produziram maior efeito, apesar dos textos populares terem sido os mais apreciados pelos voluntários.

Neste último mês os mesmos pesquisadores confirmaram esses resultados de uma forma diferente. O teste de empatia foi aplicado a cerca de dois mil voluntários, mas dessa vez associado a uma tarefa em que tinham que reconhecer autores de ficção literária de uma lista de 130 nomes. Aqueles que reconheciam mais autores foram os que tinham também maior pontuação nos testes de empatia.

Os pesquisadores acreditam que obras de ficção estimulam a imaginação e o pensamento criativo, incentivando a sensibilidade necessária para a compreensão da complexidade emocional dos personagens. Assim como na vida real, os mundos retratados na ficção literária são repletos de indivíduos cuja intimidade raramente é revelada e, por isso, exigem uma investigação emocional. Na ficção popular, os personagens são mais estereotipados em suas descrições, mais previsíveis, e o que importa mesmo é o enredo.

É notório que os resultados dessas pesquisas devem ser levados em consideração na escolha da grade curricular dos estudantes. Já existem até ensaios para incrementar a empatia de médicos através da literatura assim como para melhorar o comportamento de detentos.

 

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista do Instituto do Cérebro de Brasília e professor de pós-graduação em divulgação científica e cultural na Unicamp.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.