SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

NEURÔNIOS EM DIA

Identificada região no cérebro que diz quem terá ótima resposta ao placebo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2016 12:24 / atualizado em 03/11/2016 12:35

Por Ricardo Teixeira*

Cristiano Gomes/CB/D.A Press
Cuidar da saúde de outra pessoa envolve uma complexa interação entre o terapeuta e aquele que procura seus cuidados. Essa interação pode trazer benefícios que vão além dos efeitos da medicação ou de outro tipo de tratamento escolhido, e é a isto que chamamos de efeito placebo.

Na última semana, um estudo publicado por pesquisadores de Chicago nos EUA evidenciou pela primeira vez, através de um protocolo inédito que combinava ressonância magnética funcional e ensaio clínico, uma área do lobo frontal que define com boa confiabilidade quais pacientes são sensíveis ao efeito placebo. Os pacientes estudados sofriam de dor crônica por osteoartrite. Os achados podem ajudar no desenvolvimento de terapias mais personalizadas para o controle da dor crônica, além de auxiliar no desenho e interpretação de testes clínicos de medicações.

No dia a dia da prática clínica, os médicos, às vezes, lançam mão de vitaminas e analgésicos que não têm ação específica para a condição clinica específica do paciente e discute-se muito se essa prática é ética. As diretrizes de ética médica nos EUA proíbem seu uso sem que o paciente tome conhecimento, com o argumento que a prática pode enfraquecer a relação médico-paciente. No Brasil, o código de ética médica não ampara o uso do placebo sem o conhecimento do paciente.

Uma pesquisa recente publicada pelo British Medical Journal revelou que a maioria dos americanos não vê problema em receber uma medicação placebo. O estudo envolveu 853 voluntários com idades entre 18 e 75 anos que eram acompanhados por alguma condição clínica crônica. Apenas 22% achavam inaceitável o uso de placebo. O restante considerava o placebo uma alternativa possível nos casos em que o médico tem clareza que os benefícios são maiores que os riscos e, melhor ainda, quando existir transparência no que está sendo proposto quando o médico é interrogado.

* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista.

 

 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade