Capa

Happy Hour todo dia

A luz prolongada desta época do ano favorece um astral mais leve e descontraído na capital. Além disso, alguns bares investem na temática praiana e oferecem drinques "da estação"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/01/2017 08:00 / atualizado em 23/01/2017 16:13

Se acordar uma hora mais cedo é o prejuízo do horário de verão, ter quase três horas a mais de sol por dia compensa o sacrifício. Depois de acostumados com essa desvantagem, sair do trabalho por volta das 18h e ainda ter tanto dia pela frente deixa as pessoas muito mais animadas. A ciência confirma: estudo realizado na Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, concluiu que moradores de cidades com pouca exposição solar são mais propensos a desenvolver distúrbios de humor.

Também se sabe que a incidência de luz e o calor estimulam a produção de serotonina, neurotransmissor que controla o apetite, dá energia e promove o bom humor e o bem-estar mental. A pouco menos de um mês do fim do horário de verão (19/02), ainda dá para aproveitar cerca de três horas extras de sol. Isso, aliado ao trânsito mais tranquilo em razão das férias escolares, cria um clima especial na cidade.

 

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

 

Exercícios físicos ao ar livre

Durante o horário tradicional, a professora Camilla Sampaio, 27 anos, quase não se expõe à luz solar. Acorda às 5h, quando ainda está escuro, e chega à escola onde dá aula às 7h. Durante quase todo o dia, ela fica em lugares fechados ou dentro do carro com as janelas fechadas para o ar-condicionado refrescar o ambiente. Sai do trabalho às 17h e chega por volta de 18h em algum parque, onde corre e malha diariamente. "Acaba que eu quase não vejo a luz do sol. Fica complicado até para repor a vitamina D", reclama.

É por isso que Camilla adora o horário de verão. Depois de malhar e correr no calor ameno do fim da tarde, quando chega em casa, o dia ainda está claro. "Eu levo muito trabalho para casa. O exercício físico e a luz natural me dão ânimo pra continuar trabalhando ou até para sair com os amigos", conta. Frequentadora assídua do Parque da Cidade e do parque do Sudoeste, ela repara que ambos ficam mal iluminados à noite. "Quando está muito vazio, dá um pouco de medo." Mas tem uma estratégia para o período menos movimentado: "Se estou correndo, faço um percurso menor e fico dando voltas".

 

 

Mudanças de verão

Talvez o exemplo mais legal de programação cujo horário mudou por causa do verão seja o Eixão do Lazer. Desde 1º de janeiro, a via, tradicionalmente sem carros das 6h às 18h, aos domingos e feriados, está ficando aberta das 7h às 19h. A Casa Civil, porém, está promovendo uma enquete, no portal do governo de Brasília, para manter ou não a mudança até 19 de fevereiro, último dia do atual ciclo de horário de verão. Até o fechamento desta edição, o apoio era de 90% dos internautas. O pessoal da bicicleta e do skate agradece.

Alguns locais de stand-up paddle, windsurf e vela também estão com o horário estendido. É o caso do Clube Katanka, localizado no Setor de Clubes Sul, trecho 4. Tradicionalmente, os equipamentos ficam disponíveis até às 16h. Agora, no horário de verão, é possível alugá-los até as 17h e devolvê-los até as 18h30.

 

 

Tudo junto e misturado

Outro bom lugar para aproveitar o verão brasiliense é o Pontão do Lago Sul. Turistas, atletas, crianças, cachorros dividem o espaço e encontram proximidade com a natureza. No local, pode-se avistar e ouvir diversos pássaros — bem-te-vis, joões-de-barro, periquitos etc. Sem falar dos pequenos macacos que aparecem eventualmente. Para quem tem o dia livre e pode ir a qualquer hora, o local tem pouca sombra e muito sol, o que dificulta uma visita no meio da tarde.

 

Leia a matéria completa na edição da Revista do Correio n° 610 

 

 

 

 

 

 

R26-rev-2201

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.