Encontro com o chef

O Alentejo é logo ali

Para pôr fim ao clichê de que culinária lusitana é sinônimo de bacalhau, o chef português Manuelzinho oferece outras delícias de sua terra, como o porco à alentejana %u3000

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/01/2017 08:00 / atualizado em 23/01/2017 13:41

 Luis Tajes/CB/DA Press

 

 

É inevitável. Falou em gastronomia portuguesa, logo vem à mente os suculentos pratos de bacalhau regados a muito azeite. A cozinha lusitana, porém, é muito mais do que peixes e frutos do mar. Por lá, porco, carneiro, coelho, pato e todo tipo de caça também frequentam a mesa dos moradores. Para difundir esse lado ainda pouco conhecido pelos brasileiros, o Restaurante Tejo lançou um festival (*), cujo menu — da entrada à sobremesa — tem inspiração no Alentejo. E sob a bênção de quem entende do riscado.

 

Nascido em Elvas, cidade com pouco mais de 16 mil habitantes, Manuelzinho Pires escolheu uma tradicional receita da região natal para compor o prato principal: porco à alentejana. E nem precisou fazer tantas adaptações. Até o porco preto ele conseguiu de um fornecedor de Águas Claras. "Claro que eles não são alimentados por bolotas (tipo de castanha), como no Alentejo, o que dá um sabor especial à carne. Mas foi o mais próximo que encontramos." Quanto às amêijoas, outro ingrediente fundamental da receita, elas acabaram substituídas pela versão local de mariscos, os vôngoles, que chegam frescos, três vezes por semana, ao restaurante.

 

Para temperar a carne, Manuelzinho conta o segredo: um molho simples, preparado à base de pimentão vermelho e sal grosso. "Dá para comê-lo até com torradas", explica. Como toque final, o porco e os vôngoles são passados na margarina em uma cataplana — espécie de panela de cobre, típica do Algarve, formada por duas partes côncavas que se encaixam com auxílio de uma dobradiça. Na entrada do menu, um tradicional caldo verde e, para a sobremesa, siricaia, um doce preparado com bastante ovo, bem à moda portuguesa. Para harmonizar tudo isso, o sommelier da casa, o cubano Eugênio Cue, sugere um vinho de médio corpo a encorpado: "Não muito frutado, passado levemente na barrica". Nada mais alentejano.

 

Manuelzinho chegou ao Rio de Janeiro, em 1977, com a missão de inaugurar o famoso Antiquarius. Por lá, ficou ao longo de 35 anos, até trocar a Cidade Maravilhosa por Brasília, para onde veio abrir uma filial da casa lusa. O restaurante funcionou por quase três anos em terras candangas e, mesmo depois de ter as portas fechadas, ele e a mulher, Natividade, decidiram continuar na capital do país. Há pouco mais de um ano, começou a nova empreitada, o Tejo.

 

Impecavelmente vestido e com um sorriso no rosto, o simpático Manuelzinho está sempre na casa, passeando entre as mesas e cumprimentando os clientes — muitos já chamados de amigos. "Estou nesse ramo desde os 11 anos de idade", justifica a desenvoltura. Na cozinha, mantém uma fiel equipe de cinco cozinheiros. Exímio cozinheiro, está sempre "inventando novidades" e tem total controle sobre tudo o que é servido. Um almoço com Manuelzinho significa um agradável passeio gastronômico. E não só por Portugal. Se o assunto é uma boa comida, certamente, ele domina o tema.

 

Esta é a primeira vez que o restaurateur cria um festival na casa. Dependendo da receptividade, o porco à alentejana até pode entrar no cardápio permanente. Mais uma opção para os amantes da culinária lusitana abrirem o horizonte. "A maioria das pessoas chega aqui atrás de bacalhau", admite. "Mas, com o tempo, acaba se arriscando em outros pratos. No nosso cardápio tem de tudo um pouco, inclusive bacalhau", brinca. De fato, por lá, há algumas opções, digamos, inusitadas para uma casa portuguesa, como o filé à parmegiana, o picadinho paulista e até a sua versão à moda carioca. Uma viagem gastronômica sem sair de Brasília.

 

(*) O prato porco à alentejana custa R$ 77 e o menu completo, com entrada e sobremesa, R$ 95

 

 

 

Serviço

Tejo Restaurante, 404 Sul, Bloco B, loja 27

Telefone: 3267-7005

Funciona de terça a quinta-feira, das 12h às 15h e das 19h às 23h, sexta e sábado, das 12h às 16h e das 19h à 0h, e domingo, das 12h às 17h

 

 

 

Porco à alentejana

Ingredientes:

* 300g de copa lombo

* Banha de porco

* 6 dentes de alho

* 6 folhas de louro

* 200g de vôngole (na concha)

* Coentro

* Margarina

* Sal

* Pimentão de horta (receita abaixo)

Modo de fazer

Corte o lombo em cubos, acrescente três dentes de alho inteiros e três folhas de louro. Cozinhe coberto na banha por aproximadamente 40 minutos ou até a carne ficar mole. Reserve.

Ponha os vôngoles em um pouco de água, suficiente apenas para as conchas abrirem. Reserve.

Em uma cataplana (ou frigideira), ponha um pouco mais de banha de porco com margarina, três alhos inteiros, três folhas de louro e o pimentão de horta. Acrescente o porco cozido e os vôngoles com a água. Misture e salpique um pouco de coentro. Acerte o sal e sirva na própria cataplana.

 

 

Pimentão de horta

Ingredientes:

* Pimentão vermelho

* Sal grosso

* Azeite

Modo de fazer

Corte o pimentão e tire as sementes. Depois de limpo, ponha sal grosso e deixe na geladeira

por 24 horas (na receita original alentejana, o pimentão passa

as 24 horas exposta ao sol).

Em seguida, triture e

cubra com azeite.

Batatas com presunto na manteiga

* Ingredientes:

* Batatas

* Óleo

* Manteiga

* Cebola

* Presunto cozido

* Manteiga

* Sal

Modo de fazer

Corte as batatas em cubos e frite no óleo quente. Reserve.

Em uma frigideira, passe a cebola e o presunto cortados à julienne. Em seguida, dê uma salteada na batata frita. Acerte o sal e salpique um pouco de salsinha picada.

 

 Luis Tajes/CB/DA Press

 

Sericaia

Ingredientes:

* 24 ovos

* 800g de leite condensado

* 400ml leite

Modo de fazer:

Junte todos os ingredientes na batedeira e bata bem. Unte um pirex com manteiga e leve ao forno preaquecido.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.