ENTREVISTA

Em bate-papo com a Revista, Gabriela Pugliesi fala sobre superexposição

A musa fitness Gabriela Pugliesi fala também sobre boa forma, casamento e a vontade de ter filhos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/01/2017 08:00 / atualizado em 29/01/2017 17:24

Há algum tempo, o primeiro nome que vem à cabeça quando se fala em musa fitness é o da blogueira Gabriela Pugliesi, 31 anos. Pioneira nas postagens sobre vida saudável, Pugli, como é conhecida, foi uma criança gordinha e uma adolescente com baixa autoestima até resolver mudar de vida. Quando viu a transformação no próprio corpo, quando acreditou que era mesmo possível ter as medidas das modelos das revistas, resolveu postar sua rotina no Instagram e inspirar outras pessoas.

Carmen Steffens/Divulgação
De 2012 para cá, o fenômeno Pugliesi cresceu — e muito. Com a popularização do Snapchat, Gabriela passou a fazer minivídeos de sua vida, das coisas boas e das ruins. Os seguidores acompanharam os namoros, a solteirice, o noivado, as viagens, a mudança de casa, os treinos, as dicas do que a moça come todos os dias para manter a forma. E descobriram que, no fundo, Pugliesi é uma pessoa normal. Gente como a gente.

Claro que nem tudo são flores. Gabriela já se meteu em algumas polêmicas, e ter a vida vasculhada a cada segundo por milhões de pessoas não é fácil. Os seguidores cobram; os paparazzi estão sempre atentos. Com o tempo, foi aprendendo o que pode e o que não pode dizer, o que deve contar e o que deve ficar na intimidade.

Prestes a se casar, Pugliesi continua com a vida muito corrida. Lançou o segundo livro em outubro (A vida é mara, Réptil Editora), começou um canal no YouTube (Vendi meu sofá), no qual entrevista amigos, e acabou de voltar de Bali. Não sobra tempo para ficar nervosa com a cerimônia. Entre compromissos, viagens e planejamentos, Pugli conversou um pouco com a Revista sobre sua vida superexposta. Inclusive, no mês que vem, ela estará em Brasília para conhecer uma loja de produtos naturais.

A sua história como blogueira começou como? Quando resolveu mudar de vida e publicar seus passos?

Eu nunca fui uma pessoa muito conectada. Da turma, eu sempre era a última a saber das coisas, e, quando comecei com as redes sociais, ninguém publicava sua rotina no Instagram. Na época, as pessoas gostavam de postar fotos de paisagens, algo bem mais "artístico", e eu comecei a postar o que eu comia, o que eu levava de marmita para o trabalho e meu treino na academia. Com o tempo, fui recebendo mensagens de apoio, de incentivo, algumas marcas que eu usava na minha alimentação começaram a querer patrocinar meu blog e, um tempo depois, consegui largar meu emprego (na época, eu trabalhava no escritório de uma marca). Hoje, consigo viver fazendo o que eu mais gosto: compartilhar e incentivar as pessoas. Porque tudo o que me faz bem eu compartilho.

Como foi a experiência de escrever um livro?

É maravilhoso! É o segundo livro que eu escrevo, mas a sensação de poder compartilhar minha filosofia de vida e o que me faz bem é libertadora.

O que aprendeu com o Vendi meu sofá?

A escutar mais as pessoas. Antes, eu gostava só de falar. Estou aprendendo a ouvir, e isso é maravilhoso para meu crescimento pessoal.

Com toda a exposição, você considera que foi criado um personagem "Gabriela Pugliesi"?

As pessoas criam versões minhas, cada uma com seu modo de ver. Acho engraçado falarem que tudo é marketing, sendo que nunca foi. Eu sou uma pessoa normal, que expõe o seu dia a dia. Com isso, mostro fraquezas, erros, acertos e dilemas. A partir daí, cada um cria o que quer.

Instagram/Reprodução
Como você mantém um mínimo de privacidade? 

Hoje em dia, tenho muito mais consciência disso, da importância e de como é bom me preservar mais. Antes não tinha. Eu tinha essa inocência de achar que todo mundo é legal e que todo mundo interpretaria corretamente as coisas que eu falasse. Serviu de aprendizado. Hoje, sei que não posso falar tudo o que penso. Não gosto mais de mostrar 24 horas do meu dia, e as pessoas acabam me cobrando isso. Quando me dei conta estava quase refém da opinião dos outros; comecei a cuidar do meu interior. Acho que vem com a maturidade também, cresci muito em pouco tempo. Agora, dou valor para a frase: "O que ninguém sabe, ninguém estraga". Não saio por aí contando minha vida inteira como antes e não me sinto mal por isso.

Como é lidar com a expectativa dos seus seguidores?

Parei um pouco de me preocupar, porque estava deixando de viver. Acabava não pensando na minha felicidade. Mas quem gosta de mim de verdade sempre entende e apoia. Porque sou uma pessoa igual a qualquer outra. Sinto necessidade de compartilhar o que me faz bem, gosto de ver as pessoas felizes. Mas isso não quer dizer que eu precise compartilhar todas as minhas opiniões, os meus segredos etc. Tento achar um equilíbrio que deixe as pessoas satisfeitas e que me deixe em paz também.

A sua vida é realmente tão perfeita quanto dizem as fotos do Instagram?

Gente, a minha vida não é perfeita e eu sempre demonstro isso. Até porque, hoje em dia, é muito difícil você esconder algo do público. Eu sou uma pessoa totalmente normal — tenho meus dias ruins e meus dias bons e estou sempre aprendendo com tudo.

Por que acha que tanta gente segue seus passos? 

Eu acredito que as pessoas se identificam comigo, com meu estilo de vida. Fico muito feliz! A minha missão nas redes sociais é compartilhar um estilo de vida saudável, mostrando para as pessoas que isso faz bem não só para o corpo, o que é uma consequência, mas para a vida em sentido amplo. Mostrando principalmente que o que vale é ter equilíbrio.

Acha que as pessoas estão solitárias e acompanhar sua rotina é uma forma de estabelecer proximidade com alguém?

Acho que faz parte do momento que vivemos hoje, de conexão, tecnologia. Não acho que seja um problema psicológico, não vejo dessa forma. Antes, os artistas e as celebridades eram superinacessíveis. Agora, conseguimos ser mais próximos de quem gostamos e é legal acompanhar.

Tem percebido uma queda na audiência do Snapchat? Acha que o Stories vai tomar o lugar do Snap eventualmente? 

Acho que vai, sim! Acho o Instastories mais dinâmico, tem mais opções e é mais prático de fazer. Acabo fazendo menos snaps, pela praticidade mesmo.

As pessoas estão prestando mais atenção na saúde ultimamente? 

Sim! O mais legal é que esse estilo de vida saudável não é uma "modinha", algo que vai passar. Acredito que vai durar — as pessoas estão preocupadas com a saúde, e não com a estética.

Sobre as suas fotos, você anda com um fotógrafo para todos os lados? O Erasmo (noivo de Pugli) é bom fotógrafo? 
 
Luiza Ferraz/Divulgação
 

Hahaha! Não tenho um fotógrafo. Faço todas as fotos com meu celular mesmo, e o Erasmo é um ótimo fotógrafo, sim.

Qual é sua expectativa para o casamento?

Estou muito tranquila. Até me estranho. Acho que vou ficar mais nervosa quando chegar perto da data. Acaba que meus dias são tão corridos que não penso muito no assunto. Só sei que estou muito feliz e muito certa dessa decisão! Erasmo é o cara de que eu precisava na vida.

Você é muito próxima da sua mãe. Tem vontade de ser mãe também?

Claro! Eu amo criança. Quem me conhece sabe o quanto eu sou apaixonada por bebês! Eu vejo um e já quero pegar no colo. Mas tudo no seu tempo. Vou me casar em abril e depois pensamos no assunto. Mas queremos filhos, sim!

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.