Pochete volta ao mundo da moda e surpreende ao aparecer em passarelas

Controversa, a pochete aparece repaginada em desfiles internacionais e também nas passarelas brasileiras. Há quem ache feia, mas não se pode negar que é prática

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/03/2017 17:23 / atualizado em 01/03/2017 17:30

AFP / PATRICK KOVARIK
A praticidade de carregar o necessário acoplado à cintura é a característica mais marcante desse acessório. Trata-se de um bolso externo preso a um cinto. A pochete — ícone fashion, muito controverso durante os anos 1980 — marcou presença nas últimas semanas de moda nacionais e internacionais e vem com força como tendência para as próximas temporadas. No exterior, grandes maisons como Chanel, Hermès, Gucci e Emporio Armani apostaram no retorno da peça, assim como também fizeram a Melissa, a Cantão e a Amapô em território nacional.

Os modelos são diversos e democráticos e estão aí para se adequarem a sua necessidade. “As versões sporty, gipsy e deluxe são as que mais apareceram nos desfiles, em tons coloridos, metalizados, estampados e minimalistas”, é o que observa a consultora de moda Marina Casemiro. “Ela foi usada em looks e conjuntos que lembram pijamas. E, acima de tudo, com produções que fizeram a peça se destacar: esportiva com alfaiataria e alfaiataria clássica”, avalia o consultor de imagem Arlindo Grund.

O apresentador defende que não existe regra para usar a pochete, mas que alguns cuidados devem ser tomados. Vale ressaltar que o acessório cria um volume, então, se a barriga é muito grande ou o quadril mais largo, eles podem aumentar visualmente de tamanho. “Nesse caso, recomendo o uso do modelo transversal.” Arlindo também argumenta que, apesar da versatilidade do item, o nível de formalidade do local de trabalho da pessoa vai definir se ela deve, ou não, usá-la durante o expediente, já que se trata de uma peça mais descontraída. Ele acredita que para aqueles que lidam com rotinas menos rígidas, a peça está liberada. Para a produção da noite, é interessante evitar encher muito a pochete. “É preciso respeitar o formato dela, se é mais murcha ou estruturada. Deve-se preservá-las como são”, ensina.

Optar por versões mais neutras e menos volumosas é uma das dicas de Marina para não errar na hora de compor o look. Para quem escolher uma produção mais sportwear, a consultora sugere, por exemplo, vestidos minimalistas com a pochete na altura da cintura. “Fica ótima com peças leves e soltas marcando a cintura. Para os homens, usa-se muito cruzada no ombro, ficando na parte das costas.” E se, por acaso, você não tem uma pochete e quer fazer um teste antes de investir em uma, a dica é amarrar, com a própria alça, uma bolsa pequena e estruturada na cintura.
 
Divulgação
Divulgação
Divulgação
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.