Capa

Aventura em grupo ou intercâmbio em família tem conquistado os brasileiros

Imagine aproveitar as férias ou uma licença do trabalho para viver a experiência de morar em outro país, aprender uma língua e conhecer culturas diversas! Tudo isso sem abrir mão da rotina familiar. Cada vez mais maridos e mulheres, pais e filhos têm embarcado nessa aventura em grupo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/10/2017 08:00 / atualizado em 22/10/2017 15:11

A opção de estudar e trabalhar fora do país já era uma alternativa atraente entre os estudantes, principalmente os recém-formados, que tinham a intenção de ampliar o conhecimento cultural por meio de uma atividade profissional. O perfil dos interessados por esse tipo de viagem, porém, tem não só mudado, como se ampliado. Ingressar na aventura de desbravar o desconhecido é um desafio que, se vivido em família, pode ser ainda mais especial. E é por isso que o intercâmbio individual tem dado espaço para viagens em grupo, em que todos buscam qualificação profissional, aprimoramento de certa língua ou até mesmo conhecimento de uma outra cultura.

Uma pesquisa recente realizada pela Associação Brasileira das Agências de Intercâmbio (Belta) indicou que, só em 2016, mais de 246 mil brasileiros partiram para o exterior — um crescimento de 12% no mercado de cursos fora do Brasil em relação ao ano anterior. Segundo o levantamento, os profissionais na faixa dos 30 a 35 anos foram os que mais buscaram opções de programas no último ano, totalizando 50 mil pessoas.

Esses números positivos, de acordo com a Belta, mostram que a competitividade no ambiente de trabalho e a necessidade de diferenciação curricular são alguns dos principais fatores que têm estimulado boa parte dos profissionais a otimizarem o período de folga ou férias para aperfeiçoar o domínio do idioma, por exemplo.

A CVC Viagens afirma que, quando o assunto é intercâmbio, há mais de três anos o Canadá segue como o destino mais procurado pelos brasileiros. Ensino de qualidade, excelentes serviços públicos, cultura amigável e as excelentes opções de cursos de idiomas são, segundo a empresa, fatores que contribuem para que o local receba tantos brasileiros. Os Estados Unidos, seguido de Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia completam os cinco destinos mais buscados pelos brasileiros para estudo no exterior.

Saindo da rotina

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press
Basta conhecer um pouquinho da casa de Fernanda Ancelmo, 35 anos, e Fábio Ancelmo, 35, para entender a paixão e a curiosidade que o casal tem em conhecer o mundo. Pelo apartamento, fotos registram viagens que marcaram a trajetória dos dois. Na geladeira, os ímãs das cidades visitadas, tanto dentro quanto fora do Brasil, não deixam espaço para dúvida. Mas, ali, sempre é possível apertar os ímãs — e o orçamento — para dar lugar a novas lembranças.

Em uma de suas viagens para os Estados Unidos com o marido, Fernanda notou que estava travada e envergonhada ao se comunicar em inglês. Assim, o casal teve a ideia de, durante as férias, aprimorar a língua e conhecer um lugar. Uniriam o útil ao agradável, mas, de início, a bancária ficou resistente à ideia. 

“Não queria rotina nas minhas férias. Ter que acordar cedo ou estudar. Foi o estímulo do Fábio que me fez ver que poderia ser uma experiência cheia de coisas boas”, conta ela. Na época, sem WhatsApp ou aplicativos de localização, lá se foram os dois, com a cara e a coragem para Toronto, no Canadá.

Chegando lá, foram recebidos em uma casa de família, onde puderam dividir o mesmo quarto e, durante um mês, vivenciar as mais inusitadas experiências. “Queríamos estar em um lugar que ainda não conhecêssemos. Nós nos encantamos ao ver que a cidade era extremamente cosmopolita e as pessoas nos recebiam tão bem. Ainda estávamos perto de Nova York!”, lembra Fernanda. 

Mesmo casados, os dois acreditam que o que viveram foi único. Para Fernanda, a oportunidade de aprender um pouco mais da língua e, para Fábio, já fluente em inglês, a chance de conhecer uma cultura diferente.

Durante o mês de intercâmbio, os dois passavam as manhãs na sala de aula, em turmas diferentes, e as tardes conhecendo Toronto. “Achamos essa opção mais válida. E adoramos. Experimentamos a rotina de estudantes e, ao mesmo tempo, de turistas”, diz Fábio. O parceiro revela que, nos primeiros dias, falava em inglês com Fernanda o tempo todo, só para estimulá-la. “Eu odiava, mas, depois, notei como era dependente dele para me comunicar e como fui ficando mais corajosa”, garante a esposa.

As aulas proporcionaram a independência tão esperada para Fernanda. Após o período de estada, o casal retornou com a certeza de que cada minuto foi bem aproveitado. “Foi um divisor de águas. Depois do intercâmbio, tive a oportunidade de viajar sozinha e vi que consigo me virar. Se eu recomendo? Faça. O medo faz parte do processo, mas o resultado é incrível. Um mês foi o equivalente a quase um ano de aula aqui no Brasil”, afirma Fernanda. 

Agora, com mais uma integrante na família, a pequena Marina, de apenas 1 ano, o casal não deixa de avaliar novas possibilidades. “Fizemos amizades muito especiais e vimos o tanto que isso pode ser interessante para a nossa filha. Criança não é um empecilho e, sim, mais uma companhia”, garante Fábio.

Além de Toronto, opções como Vancouver, Califórnia, Flórida, Nova York, Londres, Malta e Austrália estão entre os destinos das famílias que saem do Brasil à procura de novas experiências. Para o gestor de cursos de universidades no exterior do Student Travel Bureau (STB), Bruno Contrera, não há programa padrão. 

Em uma única viagem, as famílias podem fazer diferentes atividades, que acrescentem a cada um de forma individual, e desfrutar da companhia comum no dia a dia. “Há famílias em busca de cursos de idiomas para todos, por exemplo. Outras em que os pais querem fazer uma formação profissional enquanto os filhos cursam programas de férias ou fazem um curso vocacional focado em um tema, como tecnologia, empreendedorismo, negócios, marketing ou esportes”, ressalta. 

A união faz a força

Carlos Vieira/CB/D.A Press
Quando o assunto é a Flórida, as duas até se atropelam para ver quem fala primeiro. Quem as escuta falar consegue sentir, de longe, a emoção e o tanto que a experiência foi especial para a estudante Erika Cherubini, 21 anos, e a mãe, a servidora pública Márcia Cherubini. Elas visitaram a cidade de St. Petersburg, na Flórida, para um intercâmbio, há três anos.

A filha sempre quis estudar no exterior e, vendo essa vontade, a mãe resolveu dar uma chance para a oportunidade: uma emendou férias, a outra deu uma pausa na faculdade. Lá se foram, juntas, passar quatro meses na cidade de céu azul e mar claro.

Antes da escolha do local, as duas estudaram diversas possibilidades. Por fim, optaram em ir para um endereço onde tinham conhecidos brasileiros. “Um casal de amigos morava em um condomínio por lá, e foi ali que decidimos nos estabelecer. Achamos que seria mais seguro, caso precisássemos de alguma coisa. Para nós, foi o ideal”, conta Márcia. Casa e carro alugados, escola de inglês escolhida.

Apesar de estarem em níveis separados, elas se encontravam sempre nos horários de almoço e intervalos. Para Márcia, a garantia de que a filha estava bem e feliz. Para Erika, a companhia da mãe. “Nunca conseguiria ficar tanto tempo sem ela. Foi muito bom. Tinha algumas amigas que estavam lá que a adotaram como mãe”, lembra a filha.

Além do curso de inglês, Erika teve a oportunidade de fazer algumas disciplinas de seu curso na faculdade local. Nas horas livres, a dupla aproveitava para conhecer as redondezas. “É uma experiência incrível, mas é preciso atenção: estávamos lá para aperfeiçoar o inglês, mas sempre conversávamos em português uma com a outra. Acho que isso é um ponto negativo”, aponta Márcia.

Mesmo assim, mãe e filha acreditam que a companhia trouxe conforto e segurança para os possíveis desafios. “Conhecemos pessoas maravilhosas e é muito especial termos vivido isso juntas. O custo foi dobrado, mas o benefício valeu muito!” 

Dicas valiosas

Algumas dicas dos entrevistados antes de arrumar as malas
  • Planeje com antecedência: confira todos os documentos necessários. A retirada de vistos e passaportes pode demorar, então, é importante começar a se preparar com tempo de sobra.
  • Prepare-se financeiramente: pesquise sobre preço de curso, hospedagem, alimentação, transporte e faça uma previsão total dos custos do intercâmbio.
  • Não acredite em tudo que você vê na internet: procure conversar com outras pessoas que tiveram experiências parecidas e com uma agência de viagens. 
  • Estude o bairro ou o local onde você pretende alugar um imóvel: é importante checar fatores como taxa de mortalidade ou incidência de ocorrências violentas.
  • Alugue um carro: apesar de não parecer, essa pode ser uma opção barata, que vale a pena dependendo do tempo de estada.
  • Tente experimentar novas atividades ou descobrir hobbies.
  • Respeite o local e esteja aberto a novas culturas e amizades: a experiência pode ser enriquecedora!

Alguns programas

Os intercâmbios em família do STB são tailor made, ou seja, criados sob medida para o estilo e as necessidades de cada família. Os programas são divididos por idade, com atividades personalizadas. A empresa separou três pacotes diferentes, com destinos para o Canadá, os EUA e a Inglaterra:

  • Frances King
Para quem: ideal para pais e filhos que desejam aproveitar as férias para investir em conhecimento no idioma e na área de interesse enquanto se divertem juntos em Londres.
A partir de 8 anos de idade.
Duas a quatro semanas de aula.
20 aulas por semana.
Níveis básico a avançado.
Preço de uma semana, com um adulto e uma criança, em Londres, e hospedagem em casa de família, a partir de 1.127 libras.

  • The Language Academy
Para quem: perfeito para aqueles que buscam desenvolver o inglês enquanto aproveitam para conhecer Ft. Lauderdale, na Flórida, com a família.
A partir de 5 anos de idade.
De duas a 12 semanas de aula.
20 horas por semana
Níveis básico a avançado.
Preço de uma semana, com um adulto e uma criança, em Fort Lauderdale, com hospedagem em casa de família, a partir de US$ 1.305.

  • ILSC Language Schools
Para quem: ideal para pais e filhos que desejam aproveitar as férias para investir em conhecimento no idioma e em sua área de interesse, aliando o aprendizado com momentos de diversão na cidade de Vancouver.
A partir de 7 anos de idade.
De duas a quatro semanas de aula.
17 aulas por semana.
Níveis básico a avançado.
Preço de uma semana, com um adulto e uma criança, em Vancouver, com hospedagem em casa de família, a partir de 2.020 dólares canadenses. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.