Bichos

Novembro azul é importante também para proteger pets contra câncer

Cães de pequeno porte são os mais atingidos pela doença do câncer de próstata

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/11/2017 07:00 / atualizado em 16/11/2017 17:58

A campanha Novembro Azul alerta sobre os perigos do câncer de próstata nos homens, mas é importante também para a prevenção da doença nos pets. O câncer de próstata, assim como todos os tipos desse mal, é caracterizado por um crescimento desordenado das células cancerígenas em um determinado tecido do corpo.

Nesse caso, são as células da glândula prostática que, atingidas, causam um aumento no tamanho dessa estrutura. Assim como nos humanos, a idade avançada é o principal fator de risco. Segundo a médica veterinária Paula Galera, câncer de mama, mastocitoma, carcinoma de células escamosas e linfoma são neoplasias comuns em cães e gatos.

Professora da Universidade de Brasília, ela explica que a hiperplasia prostática benigna é o tipo de caso mais frequente. “Como o nome diz, é um aumento benigno e está relacionado a hormônios.” Quando maligno, o câncer de próstata é altamente metastático. Isto significa que pode levar células cancerígenas para o pulmão e outros órgãos, como os linfonodos, e também aos ossos da coluna, tornando-se fatal.

Os sintomas que acusam alguma alteração na glândula prostática são bem específicos. Um deles é a dificuldade para defecar e urinar. Devido à proximidade do ânus, o aumento da próstata interfere no canal do reto e dificulta a saída das fezes. Outras alterações, como diminuição do apetite, emagrecimento, anemia, febre, que são inespecíficas, podem estar relacionados a doenças neoplásicas.

Segundo Paula, movimentos de locomoção limitados, como subir em móveis ou degraus, também podem indicar uma possível alteração no tecido da próstata. “A avaliação anual ou semestral dos animais pelo médico veterinário, por isso, é essencial para a detecção precoce”, recomenda a médica veterinária.

Herança genética

As doenças na próstata podem se manifestar em todos os machos da classe dos mamíferos. Entre os pets, os cães de pequeno porte são os mais atingidos. O aparecimento do câncer, geralmente, acontece quando os animais estão mais velhos, na faixa etária entre 9 e 10 anos.

A castração, de acordo com Paula, é um procedimento eficiente e pode diminuir a incidência do problema. “Ela pode ser preventiva ou auxiliar na redução da próstata e melhora clínica”, explica. Ela ressalta, porém, que a predisposição individual é um forte fator na doença, pois o câncer deriva de bases genéticas.

Para Renata Setti, médica veterinária especializada em oncologia e parceira da Comissão de Animais de Companhia (Comac), o melhor método de prevenção são os exames de rotina. Mas, quando há suspeitas, é preciso levar o pet a consultas para obter o diagnóstico. “O primeiro passo é passar por um bom exame, incluindo a apalpação retal, que é indolor e não necessita de anestesia.”

O ultrassom de abdômen e a radiografia da região lombar (final da coluna onde está localizado o órgão) também fazem parte do processo. “Esses exames de imagem podem dar indícios do tamanho da próstata e avaliar se ela está causando problemas na bexiga ou na coluna, e a possibilidade de metástases”, diz Renata.

Exames mais invasivos e não menos importantes, segundo a especialista, são a citologia ou a biópsia da próstata, que necessitam de anestesia para a realização. A depender do tipo do tumor, a evolução é muito rápida. Por isso a necessidade de iniciar o tratamento assim que os primeiros sintomas são detectados.

O tratamento é, normalmente, baseado em quimioterapia e cuidados paliativos, como medicação para a dor, anti-inflamatórios, cuidados com a alimentação e, às vezes, o uso de laxantes, se houver dificuldade para defecar. De acordo com Renata, o efeito colateral da quimioterapia em cães é diferente dos humanos. “Eles toleram mais os medicamentos. É raro ter que suspender um tratamento quimioterápico por efeitos colaterais intensos.”

Quanto mais cedo detectada a doença, mais eficaz será o tratamento e mais rápida a recuperação. Por isso, deve-se levar o bichinho ao médico veterinário para realizar checapes rotineiros. A campanha Novembro Azul auxilia e orienta os tutores quanto aos perigos da doença. A prevenção é mais simples e acessível e dá resultados alentadores, como as vacinações e a castração, entre outras.

A médica veterinária Paula Galera ressalta que toda campanha que alerte sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce dos tumores é importante. “Além de reduzir a incidência de determinado tumor, a campanha leva a uma mudança de comportamento dos tutores, que passam a ter um olhar atento não apenas a essa doença, mas a todas as outras.”

"A avaliação anual ou semestral dos animais pelo médico veterinário é essencial para a detecção precoce”
Paula Galera, médica veterinária e professora da UnB

Sinal amarelo

Se o animal apresenta algum desses sintomas, é hora de investigar:
Aumento da quantidade de vezes que faz xixi, com gotejamento
Presença de pus ou sangue na urina
Constipação
Perda de peso progressiva
Apatia
Tags: bichos pets
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.