Casa

Contraste é a aposta para renovar os ambientes em 2018

Tendências para renovar os ambientes em 2018 apostam no choque das diferenças e na sensação de aconchego que as plantas trazem. O super-roxo vai brilhar em paredes, poltronas e almofadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/12/2017 07:00 / atualizado em 29/12/2017 17:38

Em um mundo cheio de opções, o fácil acesso à informação permite que modas sejam criadas e seguidas de acordo com cada pessoa e seus interesses. E, com a chegada de 2018, o comportamento e o gosto da sociedade vêm ditando as tendências que estão conquistando espaço nos lares. Arquitetos e urbanistas afirmam que a decoração, no ano que começa, está direcionada à criatividade, para formas diversificadas, com materiais táteis.
Inês Antich/Divulgação
O momento não é dos tapetes discretos e que usam apenas uma cor ou material. De acordo com a arquiteta Ana Cristina Tavares, os tapetes statements — em tradução livre, um objeto que é colocado no centro das atenções — têm ganhado muita relevância nos projetos atuais.

“Trata-se de peças com volumes, alturas e texturas diferentes. Como grafismo ou cores costumam ser fortes nesse tipo de tapete, o ideal é que os outros elementos do ambiente sejam neutros para proporcionar certo equilíbrio”, explica Ana Cristina. A ideia é que o tapete statement se torne o protagonista do espaço, com grande peso na composição.

A Pantone Color Institute, conhecida pelo seu famoso sistema de cores, revelou, este mês, a cor de 2018: a Ultra Violet. “Complexo e contemplativo, ela sugere os mistérios do cosmos, a intriga do que está por vir e as descobertas para além de onde estamos agora”, explicou a empresa, ao anunciar o novo tom. Para Ana Cristina, estamos em um momento muito forte de criatividade e imaginação, que cria e inspira.
Felipe Araujo/Divulgação

“Isso está traduzido nessa cor cósmica e enigmática”, comenta a arquiteta. Porém, o forte roxo púrpura não é tão fácil de combinar na decoração. Pensando nisso, alguns truques podem ser úteis para deixar o ambiente ousado sem perder o tom. “É preciso certa parcimônia, então uma ideia é utilizar tons que casem com a cor e valorizem o ambiente, como é o caso das claras ou monocromáticas, por exemplo”, sugere a arquiteta.

Mas está permitido usar a imaginação! A cor cai perfeitamente em paredes únicas em contraste com paredes claras, ou até mesmo em itens de decoração, como almofadas, quadros e vasos. Com tons pastel de rosa, azul e lilás, pode-se criar uma paleta  mais suave, enquanto o roxo com matizes ainda mais escuras, como o preto e o marrom, permite um clima dramático e sensual.

O movimento urban jungle é outra tendência que vem ganhando força no décor e, numa tradução simplificada, se propõe a levar as sensações da natureza para dentro de casa. “A ideia é trazer a mensagem de que é possível, sim, adicionarmos o frescor da natureza, mesmo que em toques mínimos, em nossos espaços”, explica a arquiteta Patrícia Cillo. 
Julia Ribeiro/Divulgação
E a decoração tem essa capacidade de mesclar as inspirações do design com as essências do ser humano. “Imagino que seja um estilo que veio para ficar, pois traz consigo o aconchego que as plantas proporcionam.”

Cômodos como varanda, living e sala de jantar são os preferidos para encaixar o urban jungle, mas é possível adaptá-lo a qualquer ambiente. O importante é que os moradores gostem do estilo, pois as plantas exigem certo cuidado especial. “O legal é que é possível brincar com vários tipos de plantas, desde que sejam espécies que vivam bem em local fechado”, esclarece Patrícia. Para explorar a criatividade, diversos tipos de vasos e cachepôs podem ser utilizados, assim como estantes, mesas e o teto para pendurá-los.

E, quando o assunto é tecido, o veludo volta com tudo com seu toque luxuoso. A tendência, que nunca perde espaço na decoração, é perfeita para o revestimento de sofás e poltronas. “As almofadas também são legais e ainda mais fáceis de combinar, já que são menores e as cores podem variar e combinar entre si”, diz a arquiteta Ana Cristina Tavares.
Julia Ribeiro/Divulgação

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.