Publicidade

Estado de Minas ENCONTRO COM O CHEF

Food truck prepara cardápio especial para a estreia do Cozinhando no Beco

Se essa rua fosse minha terá surpresas, neste sábado, no projeto que vai agitar a 116 Sul com demonstrações surpresas de chefs da cidade


postado em 21/01/2018 07:00 / atualizado em 21/01/2018 11:47

Se essa rua fosse minha... Plantaríamos e colheríamos mais; os abraços seriam mais demorados; teríamos mais notícias boas; tudo valeria a pena ser fotografado; haveria plantinhas por todos os lados; a paz moraria em cada criatura; o amor seria para sempre...

Há três meses e meio, o fotógrafo Luís Tajes e a jornalista Cristine Gentil saem pelas ruas de Brasília espalhando essas e tantas outras mensagens positivas. Mais do que vender deliciosos pães com linguiça, o food truck Se essa rua fosse minha valoriza o espaço público, e declara diariamente o seu amor a Brasília e a quem optou por fazer da rua o ganha-pão diário.

Depois de mais de duas décadas trabalhando em redações de jornal, o casal decidiu trilhar outro caminho. Cozinheiro e churrasqueiro oficial da família e dos amigos, pareceu natural para Tajes que o novo rumo envolvesse gastronomia. Daí, veio a ideia do food truck, mas com um toque inovador.
(foto: Se Essa Rua Fosse Minha/Arquivo)
(foto: Se Essa Rua Fosse Minha/Arquivo)
“Já havia muito hambúrguer na rua. Queríamos algo que fosse totalmente novo. Até já existe truck de choripan, mas o que fazemos é bem diferente. O choripan vem regado por molho com bastante ervas. O nosso pão com linguiça artesanal vem harmonizado com vinagrete e um molho à base de queijo gruyere, exatamente como gostávamos de comer em casa”, explica Cristine. “A linguiça é grelhada na char broiler (espécie de churrasqueira a gás). Não passamos na chapa gordurosa”, completa Tajes.

E de churrasco e sanduíche Tajes entende bem. Quando criança, o gaúcho era o encarregado de preparar o lanche da noite em casa, para a mãe e a irmã. “No começo, eu nem gostava muito. Mas, como quem cozinhava não lavava os pratos, aceitei a função. Depois, tomei gosto pela coisa e fazia várias criações, geralmente, com as sobras do almoço”, diverte-se. Já os churrascos na laje do casal sempre foram disputados pelos parentes e amigos — inclusive eu, que participei de vários.

Planejamento

A decisão estava tomada. Restava agora planejar o cardápio. “Fizemos uma parceria com o profissional que fornecia linguiça para os nossos churrascos. Ela é toda feita artesanalmente, aqui no DF”, conta Cristine. O vinagrete, com um toque de abacaxi, também já era receita antiga da família. “Contratamos, então, o chef Gabriel Rogério, que já tinha experiência em desenvolver cardápios de bares e restaurantes, para nos ajudar a criar o molho com queijo gruyere e a nos dar outras consultorias.”

O Se essa rua fosse minha oferece cinco tipos de linguiça no pão baguete: picanha, pernil, pernil com bacon, cordeiro e frango. A de pernil também pode vir cortadinha, em forma de petisco. Tem ainda a batata frita com bastante queijo parmesão e o pudim de doce de leite, que costuma fazer sucesso por onde passa. “Essa receita nos foi fornecida por um chef quando ficamos em uma pousada em Alagoas, e também já costumávamos fazê-la em casa.”

A montagem do truck contou com um cuidado especial. Ele é o único, atualmente, de Brasília que funciona com energia solar. “Temos quatro baterias carregadas com energia do sol e não precisamos de gerador, que, além de poluente, faz aquele barulho horroroso”, ressalta Tajes. O material descartável também é, sempre que possível, biodegradável. E o óleo, reciclado. “Trocamos o óleo usado por detergente.” A natureza agradece.

O jornalismo, paixão antiga do casal, não foi abandonado. O food truck mantém uma página na internet (www.seessaruafosseminha.news) em que Cristine, com o texto, e Tajes, com as fotos, contam a história de outros trucks da cidade. “São mais de 200 espalhados por Brasília. Mostramos um pouco desse trabalho que é feito nas ruas”, diz Cristine.

Novos rumos

O pão com linguiça do Se essa rua fosse minha: cinco opções servidas com vinagrete e molho de queijo gruyere(foto: RaimundoSampaio)
O pão com linguiça do Se essa rua fosse minha: cinco opções servidas com vinagrete e molho de queijo gruyere (foto: RaimundoSampaio)
 
Passados os primeiros 100 dias na rua, Tajes e Cristine iniciam, agora, uma nova fase, justamente onde tudo começou. O truck apresentou o seu pão com linguiça a Brasília em 1º de outubro de 2017, em frente ao Beco das Garrafas — pub especializado em cervejas especiais. No próximo sábado, a casa lança o Projeto Cozinhando no Beco, que na estreia contará com a participação do Se essa rua fosse minha.

Trata-se de uma espécie de co-working com chefs da cidade. O pub abrirá a sua cozinha para que os convidados façam um cardápio diferenciado. “A parceria visa dar oportunidade a profissionais da área que têm dificuldades de mostrar todo o seu trabalho — no caso dos food truck, por exemplo — e para chefs de cozinha locais”, explica o dono do Beco das Garrafas, Felipe Gentil, que é irmão de Cristine. “Tenho a ideia de colocar um prato ou petisco dos parceiros no cardápio do Beco. O nome do prato seria o nome do parceiro”, complementa.

Para o próximo sábado, Tajes e Cristine estão preparando um cardápio especial. O ingrediente principal do truck, a linguiça artesanal de pernil, continuará como a base do menu. Os cozinheiros prometem algumas surpresas, mas adiantam uma das novidades: um arroz de linguiça, nunca servido no truck. A linguiça em porção, a batata frita com parmesão e o pudim de doce de leite continuam no cardápio.

Essa versatilidade no menu, aliás, faz parte dos planos originais do casal. “O nosso truck não tem fotos ou cardápio impressos no leiaute, justamente para termos essa flexibilidade de oferecer outros tipos de alimento”, conta Cristine. O Se essa rua fosse minha está, inclusive, apto a participar de festas fechadas, em que o cliente possa escolher o que será servido. Uma extensão da rua, que será sempre a casa desse truck especial.
A novidade a ser apresentada no projeto Cozinhando no Beco: arroz com linguiça(foto: Luis Tajes/Se)
A novidade a ser apresentada no projeto Cozinhando no Beco: arroz com linguiça (foto: Luis Tajes/Se)

Serviço

Saiba por onde anda o Se essa rua fosse minha pelo Instagram (@seessarua_foodtrucknews) e pelo Facebook (www.facebook.com/seessaruafoodtruckenews/)

Programe-se

Cozinhando no Beco
Quando: sábado, 27 de janeiro, das 12h às 19h
Onde: no Beco das Garrafas, na 116 Sul, Bloco C, Loja 3


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade