Brasileiros trabalham em app que informará autoridades sobre emergências

Plataforma usará smartphones de pessoas comuns para, em tempo real, informar autoridades sobre incêndios e outras situações de perigo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2014 08:32

Roberta Machado

Uma brasileira lidera grupo internacional de pesquisadores dedicado ao desenvolvimento de um novo sistema que auxiliará equipes de resgate em situações de emergência. O consórcio, formado por mais de 40 especialistas do Brasil, da Alemanha, da Áustria e da Espanha, trabalha em uma solução tecnológica para garantir a segurança de pessoas e evitar danos em crises típicas de grandes eventos e polos industriais. A plataforma Rescuer usa dados transmitidos por smartphones comuns e deve estar pronta a tempo para ser usada nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Arte/CB/D.A Press


A plataforma tem base em um aplicativo desenvolvido para ser usado por qualquer pessoa que esteja em perigo. Com um ou dois cliques, a vítima informa ao sistema se há fogo ou vazamento de gás, por exemplo. A interação com o programa é intuitiva e contou com a consultoria de especialistas em psicologia para garantir que os usuários sejam capazes de selecionar as opções corretas mesmo em estado de pânico.

Ícones indicam ao programa se há um foco de incêndio. Figuras simbólicas, como um extintor, uma mangueira ou um carro de bombeiros, podem ser selecionadas para informar a dimensão do problema. Atualmente, o sistema oferece quatro opções de emergência: fogo, explosão, pânico de massa (quando multidões sob uma ameaça não conseguem deixar um local por falta de passagem ou de organização) e “outro”.

Leia mais notícias em Ciência&Saúde

Automaticamente, o app vai acusar a localização da emergência pelo GPS do aparelho. No caso de congestionamento da rede por muitos acessos à internet, também deve contar com um canal de comunicação próprio, que vai transmitir informações usando diretamente o sinal wi-fi dos celulares.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.