"Cegueira por desatenção": uso de celular também é perigoso para pedestres

Estudos mostram que as mensagens de texto pelo celular não são arriscadas apenas para motoristas. A digitação também ameaça a segurança de pedestres

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2015 07:05

Roberta Machado


Conrad Earnest seguia por uma calçada na cidade britânica de Bath quando se deparou com um pedestre que parecia estar bêbado. A pessoa, carregada de sacolas, zigue-zagueava pelo caminho, andando devagar demais e atrapalhando quem tentava passar por ela. No entanto, ao olhar com mais atenção para o indivíduo desorientado, Earnest notou que ele não estava alcoolizado. O motivo para o andar trôpego era o telefone celular, que roubava a atenção e a coordenação do pedestre. O incidente inspirou o professor da Texas A&M University a investigar o fenômeno e a descobrir como uma mensagem de texto pode interferir em uma atividade tão simples como uma caminhada.

Os resultados da pesquisa foram publicados na mais recente edição do jornal PLOS ONE e são um alerta para aqueles que não largam o smartphone. O estudo mostrou que as pessoas que enviam mensagens de texto enquanto caminham têm dificuldade de andar em linha reta e tendem a ir mais devagar, em uma tentativa de evitar acidentes. Se comparadas as velocidades de caminhada de um indivíduo sem distrações e de outro que faz o mesmo caminho digitando no telefone, a diferença é de mais de 20%.

A pesquisa monitorou 30 pessoas que seguiram por um percurso que imitava obstáculos de uma rua comum, como degraus e pessoas paradas no caminho. Os participantes, primeiro, atravessaram a rota naturalmente. Depois, refizeram o exercício enquanto enviavam uma mensagem pelo telefone ou usavam o aparelho para resolver um problema de matemática. Um sistema de sensores registrou os movimentos de cada voluntário e comparou os desempenhos por meio de uma análise tridimensional, que apontou as dificuldades dos pedestres que tentavam usar o dispositivo móvel enquanto andavam.

Cegueira
Com o celular, o tempo médio necessário para completar a prova subia de 19,3 segundos para 24,9 segundos, resultado de um passo mais contido e de curvas desnecessárias. “Nossa principal descoberta é que as pessoas diminuem a velocidade da caminhada, dão mais passos quando se aproximam de obstáculos comuns e exageram na altura das passadas que dão para subir degraus ou um meio-fio”, descreve Earnest, que, à época do estudo, era professor na Universidade de Bath.

Para o psicólogo Ira Hyman, o problema é resultado de um fenômeno chamado “cegueira por desatenção”, a dificuldade em perceber uma coisa óbvia porque a atenção está voltada para um determinado aspecto de um cenário. “As pessoas não estão conscientes de tudo em um ambiente complexo, embora elas achem que estejam. A cegueira por desatenção tem mais chances de ocorrer quando a capacidade limitada da atenção de uma pessoa está ocupada por uma tarefa relativamente exigente. Uma conversa em um telefone celular exige muita atenção, e é, portanto, muito possível que leve à cegueira por desatenção”, explica Hyman, professor na Western Washington University.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Artur
Artur - 09 de Setembro às 22:38
Enquanto usuários de smartphones e celulares não se conscientizaram, muita gente sofrerá as consequencias indeléveis e sem volta.