Quem é o homem e quem é o robô? Para este cientista, não interessa

O pesquisador Hiroshi Ishiguro pretende tornar menos clara a linha que separa os humanos dos robôs.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/09/2015 16:59 / atualizado em 23/09/2015 18:19

Reprodução Geminoid

Sobram na ficção científica exemplos de universos em que robôs e humanos se confundem na aparência e capacidade de realizar tarefas. Ainda que essa realidade assustadora esteja longe, a robótica evoluiu e traz exemplos de robôs feitos à imagem e semelhança dos criadores.

O pesquisador Hiroshi Ishiguro é responsável por desenvolver algumas dessas criaturas: são os robôs “mais humanos” já feitos. Em entrevista à BBC ele conta que o maior objetivo é tornar menos clara a linha que separa os humanos dos robôs. Érica, por exemplo, é a humanóide que mais se aproxima disso hoje> ela fala, pisca e anda.

Reprodução BBC Brasil

Capaz de palestrar e participar de reuniões, Geminoid HI-1 é o robô clone do pesquisador Ishiguro. O humanóide é dotado de sensores de movimentos no rosto, para imitar o criador.

A linha Geminoid, desenvolvida pela companhia japonesa Kokoro, apresenta hoje os robôs mais realistas e tem como objetivo estudar interações emocionais entre homem e máquina.

Leia mais notícias em Tecnologia

Em exposição na capital japonesa, Ishiguro contou estar confiante de que robôs mais parecidos com humanos logo se tornarão algo comum no cotidiano das pessoas. Para ele, ter uma máquina simulando a presença de um ser humano não causa nenhuma estranheza. Dessa forma, Otanoroid e Kodomoroid também são robôs capazes de ler fluentemente em diferentes idiomas, brincar de trava-línguas e são também atentas ao noticiário.


A funcionalidade de um robô varia e mais do que simular a ação humana, hoje é possível encontrar uma série de robôs que auxiliam a execução de atividades. Como o Paulo, que tem 40 cm e é instrutor de ginástica, capaz de falar, cantar, dançar e até fazer previsão do tempo. Ou o exoesqueleto, desenvolvido pela empresa CyberDyne, que ajuda um homem que teve lesão na espinha ou amputações a reaprender a andar.

"Os humanos têm duas maneiras de evoluir, uma é pelos genes e a outra pela tecnologia. Com elas aumentamos nossas capacidades", explica o entusiasmado pesquisador Ishiguro.
Reprodução BBC Brasil


(*Na foto de abertura deste texto, o pesquisador está à direita)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.