BlaBlaCar, maior rede mundial de uso coletivo de carros, chega ao Brasil

Aplicativo aposta no compartilhamento de carros em longas distâncias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2015 11:05

France Presse

A startup francesa BlaBlaCar, responsável pelo aplicativo de mesmo nome que representa a maior rede mundial para o uso coletivo de carros em longas distâncias, com 20 milhões de usuários, anunciou nesta segunda-feira o início de suas atividades no Brasil.

Um comunicado destaca que o Brasil é o primeiro país sul-americano a contar com o serviço, depois do lançamento no México em abril.

A sede da BlaBlaCar no Brasil ficará em São Paulo, que será o 13º escritório internacional da startup francesa.

O aplicativo dan BlaBlaCar já foi baixado mais 15 milhões de vezes.

O Brasil representa um "imenso potencial" para a atividade de compartilhar um automóvel em longas distâncias.

"O custo dos deslocamentos de automóvel é excessivamente elevado para os brasileiros", afirma a BlaBlaCar em um comunicado.

Os pedágios do país são "os mais caros do mundo" e os brasileiros enfrentaram recentemente um "aumento do preço da gasolina", o que faz com que o veículo compartilhado para viagens de longa distância represente uma "nova solução de mobilidade acessível", afirma o comunicado.

"Estamos felizes de lançar o BlaBlaCar no Brasil e muito entusiasmados ante a perspectiva de transformar o carro compartilhado em um novo reflexo para os 205 milhões de brasileiros, que precisam de uma solução barata para seus deslocamentos", afirmou Nicolas Bryusson, cofundador e diretor geral da BlaBlaCar.

Para Nicolas Leite, diretor no Brasil da BlaBlaCar, esta é uma oportunidade para os brasileiros "de compartilhar seus trajetos de maneira mais econômica e sociável".

A BlaBlaCar opera, além do Brasil, na Alemanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Croácia, Espanha, França, Hungria, Índia, Itália, México, Polônia, Portugal, Romênia, Reino Unido, Rússia, Sérvia, Turquia e Ucrânia.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.