Ford lança nova geração do seu sistema multimídia durante a Campus Party

Terceira geração do SYNC conta com tela capacitiva, comandos de voz e interação a aplicativos de música e sistemas de direção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/02/2016 16:32 / atualizado em 01/02/2016 16:49

Ford/Divulgação
 

 

São Paulo - A Ford aproveitou o posto de única montadora a marcar presença na Campus Party, a maior feira de eletrônicos da América do Sul, para anunciar a chegada da terceira geração do SYNC ao Brasil. Presente em mais de 15 milhões de veículos ao redor do mundo, o equipamento é peça central do plano da Ford para desenvolver soluções em conectividade.

Para preparar a nova versão do sistema multimídia, a estadunidense ouviu mais de 22 mil clientes em clínicas de pesquisa. O resultado levou a terceira geração do SYNC a apresentar processador mais rápido, tela capacitiva com comandos intuitivos semelhantes ao de tablets e smartphones, tecnologia de reconhecimento de voz e interação a aplicativos de música como Spotify, 89FM e AlphaFM e plataformas de interação como o CarPlay e o Android Auto.

 

Ford/Divulgação


A interface do sistema também passou por mudanças significativas. O design foi totalmente remodelado e agora conta com ícones maiores, menus de navegação mais simples, mapas em duas e três dimensões e campo de busca inteligente.

Conectado
Outra novidade do SYNC 3 é a compatibilidade com os sistemas CarPlay e Android Auto, que fornecem aos motoristas as funções mais usuais dos aparelhos diretamente na tela do sistema multimídia. “Vale lembrar que tanto a Google quanto a Apple trabalharam com as fabricantes de automóveis para mostrar informações na tela que não distraiam o motorista. Portanto, esse sistema não é um simples espelhamento da tela do celular”, diz Gustavo Schiavotelo, engenheiro-chefe da área de Engenharia Elétrica da Ford na América do Sul.

Os usuários Apple que possuem carros da Ford tem ainda mais motivos para comemorar: a empresa anunciou que a Siri, assistente de voz da empresa, poderá ser usada para dar comandos ao SYNC, mesmo que o CarPlay não esteja instalado na plataforma.

 

Além dos aplicativos padrões, a terceira geração conta com o sistema AppLink, que fornece aos usuários a capacidade de produzir os seus próprios programas utilizando todas as funcionalidades do sistema. Todos os apps integrados ao AppLink são identificados e organizados automaticamente dentro da aba “Aplicativos”.

 

Ford/Divulgação

 

Preparado para o futuro
A Ford revelou também que a nova geração do SYNC está preparada para receber atualizações, que poderão ser instaladas tanto por conexão wifi quanto por USB. “Diferente dos outros módulos veiculares, que precisam de ferramentas de engenharia para atualização do software, o SYNC permite atualização por meio da porta USB ou do wifi, tornando o processo muito mais simples e rápido. Esse é um grande passo, pois estamos preparando o sistema de conectividade para as futuras soluções de mobilidade que a montadora está desenvolvendo ”, garante Gustavo.

Mercado nacional

O SYNC chegou ao Brasil em 2008 e hoje está presente em todos os modelos da linha Ford no país. Durante a coletiva, Gustavo disse ainda que engenheiros brasileiros trabalharam no desenvolvimento da terceira geração do sistema multimídia. “Por ser um produto global, a gente tem que enfrentar alguns desafios porque, dependendo de como o produto é desenvolvido, ele pode não ser tão adequado para algumas regiões. E é nesse momento que a Ford mostra a importância de ter um time de engenharia local trabalhando nesse desenvolvimento. Nosso time de engenharia do Brasil faz parte desde do conceito até a realização do SYNC 3. Eles ajudaram a desenvolver os mapas da América do Sul, a integrar os aplicativos locais com o sistema a partir do AppLink, a preparar o reconhecimento de voz com português do Brasil, que aliás é uma das grandes melhorias quando a gente compara a nova geração com as outras.

O jornalista viajou a convite da Ford

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.