Cinco coisas que aprendemos com o beta de Tom Clancy's The Division

O jogo completo chega as lojas em 8 de março para Xbox One, PlayStation 4 e PC

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/02/2016 15:30 / atualizado em 05/02/2016 14:55

 

O beta de The Division foi encerrado hoje. Após a extensão de mais 24 horas feita pela Ubisoft, a companhia francesa levou à casa dos jogadores uma versão mais próxima à final, planejada para ser lançada em 8 de março. O Tecnologia teve a oportunidade de experimentar 10 horas do beta e listou as cinco principais coisas que aprendemos no mundo pós-apocaliptico.

1. Não é a mesma coisa da E3. Nunca é.
The Division foi mostrado há 3 anos, durante a E3 de 2013. Na época, a reação foi febril; sites anunciaram como o jogo da feira, fãs piraram, e, de fato, o que foi mostrado empolgou. Mas é sempre assim, sempre foi e sempre será. Watch Dogs causou a mesma reação, mas o resultado foi lastimável. No final de tudo, a estranheza surgiu pelo fato de como o jogo foi mostrado; com movimentos lentos de câmera, conversas atuadas entre os jogadores e uma certa empolgação megalomaníaca que todos que acompanham a E3 já conhecem. A proposta online do game, porém, continua a mesma, e, talvez por isso, o jogo ainda tenha esperança.

 


2. Pode ser um Destiny melhor
Apesar de estar muito cedo para fazer a comparação, a proposta de The Division, por mais que seja muito menos ambiciosa, se assemelha muito à de Destiny. Um jogo de tiro (este aqui, baseado em cobertura no cenário) online com elementos RPG? Soa familiar. Basta esperar para ver se o game irá pecar na falta de variedade de missões e conteúdo pós-jogo.

3. Na hora do pânico, atirar nos inimigos é sempre uma solução
“Se já está tudo indo por água abaixo, por que não atirar nos outros?” parece ser o pensamento constante dos inimigos do jogo. A resposta? Atirar de volta. Brincadeiras à parte, a exploração e o estilo de combate em The Division funcionam muito bem, quase que se complementando. Ao mesmo tempo em que você está explorando uma Nova York vazia, os encontros podem ser inesperados. De imediato, a resposta é procurar uma cobertura e iniciar o combate. Os itens do beta também dão uma prévia otimista dos tipos de armas e equipamentos podemos esperar na versão final do jogo.

 

Ubisoft/Divulgação

 

4. Os desenvolvedores de Destiny tiraram uma folga para jogá-lo
Uma das poucas explicações compreensíveis para a falta de conteúdo em Destiny, o que promete ser o principal obstáculo para o lançamento da Ubi, pode ser essa: todos os devs estão jogando The Division. E o game pode se beneficiar do vácuo de conteúdo em Destiny para arrebatar os jogadores órfãos do conteúdo prometido. A Bungie ainda cumpre um contrato de 10 anos de conteúdo para Destiny, plano ambicioso com a Activision, e a Ubisoft pode se aproveitar da visão hiperbólica para cravar um título com conteúdo de pós-jogo considerável e finito.

5. Cuidado nas compras da Black Friday
Toda a confusão no game começa em uma Black Friday, quando um vírus que quase dizima a população dos Estados Unidos se espalha. O beta de The DIvision, então, ensina a melhor das lições: durante a Black Friday, pode ser melhor ficar de olho nas ofertas online mesmo.

 

Ubisoft/Divulgação
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Gabriel
Gabriel - 05 de Fevereiro às 15:40
Concordo com o 1º fato...Na E3 o game é espetacular,porém como sempre, a Ubisoft decepciona.