Especialistas explicam como funciona criptografia no WhatsApp

Empresas que trabalham com a comunicação pela internet investem cada vez mais em sistemas de criptografia, cuja função é assegurar a privacidade dos usuários

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/04/2016 06:00


A criptografia nasce da necessidade de trocar informações particulares sem que bisbilhoteiros e aproveitadores acessem o conteúdo das mensagens. Com o aumento do número de usuários na internet e das praticidades oferecidas pelo meio digital, como compartilhamento de informações e transações bancárias, cresce também a demanda por mais segurança. Dessa forma, para conquistar credibilidade e a confiança de seus clientes, empresas tem investido cada vez mais em sistemas de proteção de dados.

A técnica, no entanto, não é nova. Desde o Egito Antigo, em meados de 1900 a.C., inscrições com hieróglifos posicionados fora do padrão formavam uma espécie de código. Outra aplicação recorrente da criptografia aconteceu durante os períodos de guerra, quando os países aliados trocavam mensagens cifradas sobre estratégias de combate. Assim, a interceptação dessas mensagens nem sempre trazia vantagens aos inimigos, que precisavam investir tempo para acessar o conteúdo das comunicações, muitas vezes em vão. E, para além do uso militar, a codificação de textos também tem uma utilidade mais romântica, como na troca de declarações entre amantes impedidos, ou na resistência contra regimes ditatoriais.

Leia mais notícias em Tecnologia

Em todas essas situações, o denominador comum da criptografia é a segurança individual. Com base nesse argumento, ocorreu na semana passada a atualização do serviço de mensagens pela internet WhatsApp, que tornou as conversas e chamadas criptografadas de ponta a ponta, o que, segundo comunicado da empresa, assegura que “nem hackers, nem criminosos, nem regimes opressores, nem nós (funcionários)” podem ter acesso aos conteúdos trocados via o aplicativo.

Isso quer dizer que, no momento em que um usuário instala ou atualiza o aplicativo para a última versão, recebe chaves de encriptação, as quais são disponibilizadas também aos seus contatos que possuem a mesma versão do programa, tornando a conversa sigilosa (veja mais no quadro acima). De acordo com comunicado do WhatsApp, essa encriptação é feita automaticamente, dispensando digitar senhas ou ativar configurações.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.