Brasileiro traduz ferramenta americana utilizada no ensino de programação

Objetivo é estimular a adoção da plataforma nas escolas de ensino básico brasileiras

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/07/2016 06:00


O desenvolvimento de aplicativos e programas de computador ainda é visto por muita gente como uma atividade complexa, que apenas técnicos extremamente especializados podem realizar. Porém, iniciativas que buscam deixar a programação mais simples surgem para impulsionar novos projetos na área e ampliar o número de pessoas que se arriscam a inovar no mundo da informática.

Uma das ferramentas fundamentais a esse processo é o MIT App Inventor, plataforma criada pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts que, agora, se torna ainda mais acessível aos brasileiros, graças à sua tradução completa para o português pelo professor Eduardo Valle, da Universidade Estatual de Campinas (Unicamp), em São Paulo.

O programa de criar aplicativos funciona como uma linha de montagem, na qual diferentes módulos devem ser preenchidos pelo usuário. Depois de completadas todas essas etapas, o aplicativo está pronto para rodar em qualquer sistema Android.

Leia mais notícias em Tecnologia

Segundo o desenvolvedor de softwares João Paulo Apolinário, tudo é muito intuitivo, e o usuário ainda conta com diversos vídeos no YouTube que ensinam como utilizar a plataforma do MIT. “Há módulos pré-prontos que você pode alocar da forma que quiser. Você também pode criar seus próprios módulos ou usar alguns dos criados por outros usuários, pois ela também é colaborativa. Com tutoriais básicos, qualquer um pode sair fazendo”, garante o especialista.

Devido à sua simplicidade, o App Inventor é muito utilizado em aulas de ensino fundamental e médio, principalmente nos Estados Unidos. “Ele é usado principalmente para ensinar as bases da lógica e da programação para os estudantes criarem aplicativos mesmo sem trabalhar com códigos efetivamente. Ele permite que você use o conceito sem necessariamente passar pela curva de aprendizado ou pelos pormenores da programação”, explica Apolinário.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.