Jogadores se 'desesperam' e Procon na PB desiste de bloquear Pokémon Go

O secretário-geral do Procon de Cabedelo (PB) afirmou ao Correio que pensou em pedir o bloqueio do jogo na Justiça e inclusive postou a notícia no Facebook, mas assumiu que o órgão se precipitou na atitude

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/08/2016 17:04 / atualizado em 15/08/2016 18:27

Reprodução


As pessoas estão tão preocupadas com os incidentes que podem acontecer com os jogadores do Pokémon Go, que cogitaram até bloquear o aplicativo no Brasil. O Procon de Cabedelo, na Paraíba, chegou a conversar com técnicos do órgão e publicou um post no Facebook afirmando que tentariam o bloqueio do jogo no país na Justiça.

Reprodução
Inicialmente, a informação teria sido confirmada pelo secretário adjunto do Procon (PB), Tárcio Nóbrega ao Jornal da Paraíba. Tárcio teria dito ainda que o caso poderia ser levado ao Ministério Público: “Estamos trabalhando e faremos estudos (com base nas notícias) e tentaremos parceria junto ao MP, para ver se podemos intervir nesses casos com uma medida concreta."

A divulgação da notícia deu o que falar e o Procon Municipal de Cabedelo que iniciou a ação, deletou o post que originou todo o caos.

O secretário-geral do Procon de Cabedelo, Francinaldo de Oliveira, explicou ao Correio que eles se precipitaram. "Nosso objetivo é evitar que os pokémons apareçam em locais como centrais elétricas de energia, hospitais e cemitérios. Queremos educar o usuário para que ele jogue de forma coerente. Antes queríamos proibir, mas hoje não mais", explicou Francinaldo.

Por telefone, o secretário disse ainda que ele mesmo publicou o post falando sobre o bloqueio, mas que excluiu menos de duas horas depois. 

Reprodução


Bloqueio

Não seria o primeiro caso no Brasil em que a Justiça intervém neste tipo de situação. Nos últimos meses o WhatsApp foi bloqueado algumas vezes, além da divulgação de que o Instagram e Facebook também poderiam passar pela mesma coisa.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.