Conheça 'Too Good To Go', o app que vende sobras de restaurantes

Disponível em países da Europa, o serviço oferece por um preço mais barato alimentos que o estabelecimento jogaria fora e que não passaram pelo prato de clientes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/08/2016 19:03 / atualizado em 16/08/2016 19:31

Reprodução Facebook

No fim do dia, quando sobra comida nos restaurantes europeus, a regra é simples: jogar no lixo. Mesmo que esteja em boas condições, mesmo que não tenha passado pelo prato de nenhum consumidor. As leis são rígidas para doação de sobras e a comida acaba sendo desperdiçada. Foi pensando nisso que um grupo de dinamarqueses criou o aplicativo Too Good To Go, que vende por um preço modesto as sobras de lojas e restaurantes.

O cliente tem o cardápio de cada restaurante disponível na plataforma online ou no app. Não é possível escolher o que comer, nem o tamanho das porções. O pagamento é feito por meio da plataforma também, e não há sistema de entrega em casa. Além disso, como o serviço é feito com as sobras do restaurante, há um horário delimitado para buscar a comida, normalmente próximo ao fechamento.


Reprodução Too Good to Go


Para os restaurantes, o aplicativo é vantajoso, porque lhes permite ganhar dinheiro com algo que iriam jogar fora. O preço cobrado pelas "marmitas" é bem modesto: varia entre 2 e 3,80 libras (aproximadamente, R$ 8 a R$ 15), no Reino Unido. A startup arrecada um pequeno valor embutido em cada porção vendida.

O Too Good Too Go está disponível para Android e iPhone, além da plataforma online. Lançado no fim do ano passado na Dinamarca, o serviço expandiu para França, Reino Unido, Áustria, Alemanha, Suíça e Noruega. De acordo com a descrição no site, a missão do app é "poupar comida, dinheiro e o planeta, devolvendo valor à comida, como a fonte de energia mais valiosa da humanidade, não apenas algo que pode simplesmente ser jogado na lixeira."

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.