Aplicativo destaca nomes de políticos com pendência

Parceria entre sites resulta em plug-in para navegador Google Chrome que lista pendências de políticos e senadores sempre que seus nomes aparecem em uma página da internet

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/01/2017 10:46 / atualizado em 09/01/2017 13:43

Um site dedicado a reunir reclamações e denúncias feitas por internautas sobre serviços e produtos criou uma extensão da web que sinaliza os nomes de deputados federais e senadores com alguma pendência na Justiça. Segundo a página Reclame Aqui, autora da iniciativa com outros sites parceiros, o objetivo é ajudar a população a fiscalizar a classe política. Há intenção de estender o serviço a todas as esferas públicas.

O app, batizado de Vigie Aqui, funciona no navegador Google Chrome. Para usá-lo, o internauta deve baixá-lo na loja virtual do Google e, depois, escolher a opção "Usar no Chrome". Sempre que o nome de um dos políticos com pendência aparecer em algum site (exceto nas páginas da Câmara e do Senado), o internauta só precisa passar o cursor sobre ele e ter acesso a uma lista dos problemas.

As pendências consideradas vão desde supostas falcatruas eleitorais até crimes mais graves, seja na esfera civil, penal ou eleitoral. Dos 81 senadores, 41 têm algum processo ou pendência judicial, segundo um dos apoiadores do projeto, o site Excelências.
 
 

Roxo

O serviço também deixa os nomes dos políticos na cor roxa. Segundo os criadores, a tonalidade foi escolhida em referência à clássica frase do ex-presidente Fernando Collor, que disse "ter aquilo roxo", em referência à sua masculinidade. Pouco tempo depois, Collor acabou impedido por denúncias de corrupção em seu governo.

O portal planeja ampliar a ferramenta. Em uma próxima etapa, deverão ser incluídos deputados estaduais, governadores e vices-governadores. Em seguida, será a vez de vereadores, prefeitos e vice-prefeitos. 
 
*Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.