Google cria medidas para evitar publicidade ao lado de conteúdo impróprio

No caso do YouTube, por exemplo, a publicidade contratada aparece junto aos vídeos e uma parte do dinheiro vai para os autores dos vídeos, que incluem, por exemplo, grupos extremistas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/03/2017 08:07

LOIC VENANCE / AFP
O Google anunciou nesta terça-feira medidas para que a publicidade de seus clientes não apareça ao lado de conteúdos racistas, homofóbicos ou extremistas, em resposta a denúncias de empresas e do governo britânico.

"Sabemos que os anunciantes não querem ver seus anúncios ao lado de conteúdo que não está alinhado a seus valores. Assim, a partir de hoje, estamos adotando uma postura mais dura sobre o conteúdo de ódio, ofensivo e depreciativo", afirmou o diretor comercial do Google, Philipp Schindler, no blog da empresa.
 
 
O governo britânico, as montadoras Volkswagen, Toyota, e Nissan, os bancos RBS, HSBC e Lloyds, o grupo público de comunicação BBC, as redes fast food McDonald's e Domino's Pizza, entre outros, haviam retirado sua publicidade do Google por esta questão delicada.

Schindler admitiu que as empresas formulam suas diretrizes sobre onde e quando desejam que seus anúncios apareçam e indicou que o Google dará mais controle aos clientes.

"Nos próximos dias e meses nós vamos introduzir novas ferramentas para que os anunciantes administrem de maneira mais fácil e consistente onde seus anúncios devem aparecer, através do YouTube e da internet", escreveu Schindler.

No caso do YouTube, por exemplo, a publicidade contratada aparece junto aos vídeos e uma parte do dinheiro vai para os autores dos vídeos, que incluem, por exemplo, grupos extremistas. 

O anúncio da empresa foi feito um dia depois de um pedido de desculpas apresentado por um alto executivo do grupo americano.

"Gostaria de pedir desculpas aos sócios e anunciantes que possam ter sido afetados porque seus anúncios apareceram ao lado de conteúdo polêmico", declarou Matt Brittin, presidente da divisão para a Europa, Oriente Médio e África do Google. 

Ao anunciar a retirada de seus anúncios, o governo britânico afirmou que "totalmente inaceitável que a publicidade paga pelo contribuinte apareça ao lado de conteúdos inapropriados, e esta mensagem foi transmitida muito claramente ao Google".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.