YouTube anuncia plano para acabar com censura a conteúdo LGBT após críticas

De acordo com o YouTube, a ferramenta foi criada inicialmente com a intenção de ajudar pais e escolas a controlar o tipo de conteúdo visto na plataforma

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/03/2017 15:14

A plataforma de vídeos online YouTube começou a semana sendo alvo de críticas na internet, após usuários perceberem censura a conteúdos voltados ao público LGBT, que, além de canais de youtubers, incluía também clipes musicais famosos como BWU, de Tegan and Sara.

Em uma página no blog de criadores da plataforma, Johanna Wright, uma executiva da companhia, admitiu o erro, que colocava vídeos voltados ao público LGBT em modo de restrição, e anunciou um plano para tentar acabar com a censura a este tipo de conteúdo.
 

"Nos últimos meses, e definitivamente nos últimos dias, a partir de membros LGBTQ e de outras comunidades, tivemos muitas questões sobre o que é o Modo de Restrição e como funciona", escreveu Wright. "O ponto é, que esta ferramenta não está funcionando do jeito que deveria. Nós pedimos desculpas e iremos consertá-la."

"Nosso sistema às vezes comete erros para tentar entender o contexto e as nuances quando define quais vídeos irão para o modo de restrição", explicou a executiva, apontando como exemplos de erros os vídeos censurados "Her Vows", de Ash Hardell, "Coming Out To Grandma", de Calum McSwiggan, "Woman interrupted during BBC interview", de Jono and Ben, e o clipe de BWU, da dupla Tegan and Sara.

Apesar de anunciar que o sistema de restrições passará por reformas, Johanna Wright pediu paciência e revelou que o processo pode ser demorado. "Vai levar um tempo para fazer uma auditoria completa na nossa tecnologia e rodar as novas mudanças. Por favor, cooperem conosco."

De acordo com o YouTube, a ferramenta foi criada inicialmente com a intenção de ajudar pais e escolas a controlar o tipo de conteúdo visto na plataforma.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.