Análise: Quantum MUV UP tem um dos melhores custos-benefícios do mercado

Aparelho possui 3GB de memória RAM, 32GB de armazenamento interno, leitor de impressões digitais e sensores de 13MP. Desempenho, bateria e recursos da câmera impressionam

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/05/2017 10:00 / atualizado em 19/05/2017 16:29

Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 
Primeiro modelo apresentado pela Quantum em 2017 - e o quinto smartphone da marca em pouco menos de dois anos de mercado - o MUV UP chega para continuar a tradição da empresa: oferecer celulares bons a um preço justo. Equipado com processador octacore MediaTek de até 1.3 GHZ, 3GB de RAM, 32GB de armazenamento interno e leitor de impressões digitais, o aparelho sai por R$ 999. 

Assim que o usuário retira o MUV UP da caixa, é impossível não se surpreender com o acabamento. Com laterais em metal e display com bordas arredondadas em 2.5D, o aparelho tem boa ergonomia e encaixa bem na mão. Mas nem tudo são flores: a tampa traseira conta com o exclusivo acabamento “preto asfalto”, cuja textura mais se assemelha a uma lixa não muito grossa. O primeiro toque é relativamente estranho, mas depois de se acostumar, a textura passa praticamente despercebida.

Desempenho
O Quantum MUV UP já sai de fábrica atualizado com o Android 7.0 Nougat. Levando em consideração que até o final de fevereiro, só 1,2% dos aparelhos Android já haviam recebido o sistema operacional, a disponibilidade é um diferencial. A empresa curitibana fez algumas alterações no S.O. da Google, adicionando alguns recursos úteis ao usuário, como gerenciador de arquivos, gravador de som e serviço de e-mail próprio. O único bloatware disponível é o app “Quantum+”, que dá acesso a comunidade de usuários da desenvolvedora. 
 
Quantum MUV UP/Reprodução
 
 
Contrário ao movimento do mercado, que opta, em sua maioria, por processadores Snapdragon, a Quantum aposta em chipsets MediaTek. O MUV UP recebeu o MT6753 octa-core 64 bits de até 1.3GHz. Junto aos 3GB de memória RAM, o processador trabalha muito bem e não deixa a desejar, mesmo rodando aplicativos mais pesados. O conjunto também se comporta excelentemente com multijanelas, visto que os aplicativos abertos continuam rodando em segundo plano até que o usuário encerre a aplicação. 
 
Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 

Durante as semanas de teste realizado pelo Tecnologia, o smartphone chegou a apresentar alguns comportamentos estranhos. Postar uma foto da galeria no stories, do Instagram, é uma tarefa complicada, porque o app fechava constantemente. Outro caso que chamou a atenção foi quando tentamos nos conectar ao wifi do Aeroporto Internacional de Congonhas, em São Paulo. Mesmo com a bateria fcompleta, assim que efetuamos o credenciamento, para acessar a internet, o MUV UP começou a reiniciar incessantemente. Sempre que o aparelho era ligado, ele se conectava automaticamente à rede e reiniciava mais uma vez. Pode ser um caso isolado, que afete apenas o dispositivo disponibilizado para teste, visto que não encontramos mais nenhum relato sobre o ocorrido. 

Bateria
Para quem não larga o celular e procura um smartphone que aguente o tranco, o MUV UP é uma opção. A bateria de 3.000mAh, juntamente com o sistema de gerenciamento de energia do processador MediaTek e das configurações padrões do Android 7.0 Nougat, entregaram mais de um dia longe das tomadas. Infelizmente, o aparelho não é compatível com tecnologia de carregamento rápido e precisa de pelo menos duas horas até atingir a carga total.
 
Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 

Câmeras
As câmeras surpreendem. O sensor traseiro possui 13MP, abertura f/2,0 e flash dual tone. Em ambientes com boa luminosidade, as fotos apresentam tons fortes, resolução de qualidade e foco rápido, com a possibilidade de desfocar o fundo, dependendo das condições da foto. Em locais mais escuros, o nível de ruído é perceptível, mesmo com uso do HDR. Para resultados melhores, o software da câmera oferece ao usuário a possibilidade de alterar balanço de branco, ISO, exposição da lente, tonalidade, saturação, brilho e contraste. Assim, o fotógrafo pode configurar o sensor da maneira que achar melhor. 
 
 

Outro recurso que impressiona é a pós produção dos vídeos. O MUV UP grava em Full HD a 30fps. Após o fim da gravação, é possível estabilizar a imagem (para gravações tremidas), girar (para quem insiste em gravar com o celular na diagonal), cortar e colar algumas partes. A câmera frontal, também de 13MP, conta com flash, detecção automática de rostos e embelezamento facial, para retirar imperfeições do rosto. 

Vale a pena?  
O custo-benefício, sem sombra de dúvidas, continua sendo um dos fortes da Quantum. Câmera de qualidade, bateria de alta duração, números interessantes (3GB de RAM e 32GB de armazenamento definitivamente não são de jogar fora) e processador que aguenta o tranco; é isso que o MUV UP oferece, por menos de R$ 1 mil. Quem procura um smartphone com boas configurações e não quer gastar muito no processo, pode se aventurar e investir em uma marca nacional.  

Quantum/Divulgação
Ficha técnica
Quantum MUV UP
Processador: octacore MediaTek MT6753 de até 1.3 GHz
Memória RAM: 3GB
Armazenamento interno: 32GB (expansível para até 128GB)
Dimensões (A x L x E): 153.3 x 76.9 x 8.9 mm
Peso: 115 gramas
Tela: 5,5 polegadas AMOLED
Resolução: 720 x 1280 pixel
Câmeras: Traseira de 13MP e frontal de 13MP
Slots para cartão: Dual SIM LTE 4G
Conectividade: Wi-Fi, Bluetooth 4.1, GPS
Sistema operacional: Android 7.0 Nougat
Extras: leitor de impressões digitais
Preços: R$ 999.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.