Análise: Moto Z2 Play é um upgrade bem vindo para linha modular da Motorola

Segunda geração da família Z Play ganhou mais memória RAM, o dobro de armazenamento interno e melhorias no acabamento. Bateria diminuiu, mas o carregador Turbo Power continua fazendo um ótimo trabalho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/08/2017 18:33 / atualizado em 31/08/2017 18:16

Álef Calado/Esp.CB/D.A Press


Há pouco mais de um ano, a Motorola deu o pontapé inicial na sua família de smartphones modulares com o lançamento do Moto Z e do Moto Z Play. Os aparelhos surpreenderam pelas configurações de ponta e chamaram atenção pelos Snaps, equipamentos que incrementam a experiência com os smartphones e oferecem uma gama quase infinita de opções para o usuário.
 
Dando continuidade ao segmento, a da Lenovo lançou, em junho, o Moto Z2 Play. O aparelho possui display Super AMOLED de 5,5 polegadas, 4GB de memória RAM, 64GB de armazenamento interno (expansível para até 2 TB, via MicroSD) e processador Qualcomm Snapdragon 626 octa-core de até 2.2 GHz. A bateria passou de 3.510 mAh para 3.000 mAh, mas continua com tecnologia de carregamento TurboPower, que garante até 6 horas de autonomia com apenas 20 minutos de carga. Na versão sem Snaps, o Moto Z2 Play sai por R$ 1.999. 

Design
O Z2 Play passou por poucas, mas importantes mudanças no visual. Na frente, o leitor de impressões digitais deixou o aspecto quadradão de lado e ganhou multifunções. Além de bloquear e desbloquear o aparelho, o sensor substitui os botões virtuais - aumentando a área útil do display - e realiza as funções de voltar, “home” e multitarefa.
 
Na parte de trás, o design lembra muito o da quinta geração do Moto G. A câmera continua com a mesma protuberância da primeira geração, que chega a incomodar quando deixamos o aparelho sob a mesa, por exemplo, já que a diferença de altura não permite que ele fique parado. Por sorte, é um problema que uma simples Style Shell (o Snap de capinha) pode resolver. Um pouco mais abaixo, os já conhecidos espaços para conectar os acessórios.
 
Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 

Software e performance 
O Moto Z2 Play conta com chipset Qualcomm Snapdragon 626 octa-core de até 2.2 GHz com Cortex-A53 e Adreno 506. O conjunto traz a performance esperada para um aparelho do porte, sem engasgos ou comportamentos inesperados. O recurso de multitarefa trabalha bem e aplicativos e jogos continuam rodando em segundo plano até que o usuário encerre-os manualmente. Durante o período de testes, aceleramos algumas supermáquinas no Need For Speed: Underground e lutamos contra uma série de super-heróis e vilões em Injustice 2; games que funcionaram com a fluidez desejada. 
 
O aparelho sai de fábrica equipado com uma versão quase sem modificações do Android 7.1.1 Nougat. Os únicos aplicativos pré-instalados influenciam, diretamente, na experiência do usuário com os atalhos do sensor de impressões digitais, os Snaps e com o Moto Voz, recurso que permite que você controle o celular falando com ele. É uma espécie de assistente pessoal da Motorola que realiza atividades simples, como ligações e pesquisas. A funcionalidade é personalizável e só trabalha com a voz do dono do aparelho, impedindo que os comandos de outras pessoas confundam o smartphone.  

Câmera
A câmera do Moto Z2 Play possui 12MP com abertura f/1.7, foco Dual Pixel + laser e flash dual tone em LED. As imagens são boas para um intermediário, mas não fazem jus as excelentes imagens das primeiras gerações da linha modular. A falta de um cuidado mais aprofundado com o sensor é perceptível principalmente em ambientes escuros, onde o resultado são fotos embaçadas e sem muitos detalhes, mesmo com o HDR ativado. Entretanto, o balanço de branco é bom e as imagens ficam com cores legais e um belo contraste.
 
 
 
Na frente, o Z2 Play traz 5MP e flash LED dual tone. As imagens também são razoáveis e chegam a estourar em alguns momentos, mas boas o suficiente para abrilhantar as suas redes sociais. 
 
Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 
Bateria 
Além do preço relativamente mais em conta, uma das vantagens do Moto Z Play era a bateria. A primeira geração do aparelho chegou ao mercado com 3.510 mAh, muito mais do que os simples 2.860 mAh do irmão mais caro. Acrescentando o Incipio offGRID Power Pack à brincadeira, o usuário conseguia impressionantes 5.730 mAh; o suficiente para muito mais do que um dia de uso.  

Infelizmente, a Motorola optou por deixar esse aspecto de lado na segunda geração do Moto Z Play. O aparelho vem com 3.000 mAh, o que não é pouco considerando a média de bateria presente nos smartphones do mesmo porte, mas representa um retrocesso. Durante os testes, o Z2 Play conseguiu chegar ao fim do dia com cerca de 20% da bateria restando, o que é muito bom, levando em conta que o celular praticamente não tem descanso nas minhas mãos. 
 
Álef Calado/Esp.CB/D.A Press
 
 
Um dos pontos positivos da nova geração é a presença do carregador Turbo Power, que entrega até seis horas de autonomia com apenas 20 minutos de carga, segundo promessa da Motorola. Na prática, não foi bem assim, mas a tecnologia é um adendo extremamente válido para quem não quer perder muito tempo esperando o celular carregar.   
 
Tecnologia modular 
Um dos grandes recursos do Moto Z2 Play é, sem sombra de dúvidas, o aspecto modular. O aparelho é compatível com todos os módulos já lançados pela Motorola e também vai receber os próximos acessórios, já que a norte-americana, agora administrada pela chinesa Lenovo, garante compatibilidade com até três gerações do Moto Z. Atualmente, o Moto Z2 Play está disponível em cinco versões: sem Snaps (R$1.999), Moto Z2 Play Power Pack (R$ 2.199), Moto Z2 Play JBL SoundBoost (R$ 2.199), Moto Z2 Play Moto Insta-Share Projector (R$ 2.699) e Moto Z2 Play Hasselblad True Zoom (R$ 2.699). 

Vale lembrar que a Motorola se prepara para lançar o GamePad, que transforma o celular em um console portátil, e o Câmera 360, que oferece imagens e vídeos em 360 graus. 

Vale a pena?
O Moto Z2 Play é um aparelho preparado para o futuro. Apesar dos preços relativamente duvidosos, a Motorola está sabendo trabalhar muito bem com os Snaps e o novo integrante da família modular é uma evolução muito da bem vinda. Se você não se importar muito com a câmera e o fato da bateria durar um dia não for um impecilho, o aparelho, certamente, merece uma chance. Já, se você se preocupar com esses dois aspectos e mesmo assim ficou com vontade de comprar o Z2 Play, acrescente mais algumas centenas de reais no orçamento final e leve para casa também os Snaps Hasselblad True Zoom, que melhora consideravelmente a qualidade da câmera, e a Incipio Power Pack. 
 
Motorola/Divulgação
Ficha Técnica
Moto Z2 Play 
Processador: Qualcomm Snapdragon 626
Memória RAM: 4GB
Armazenamento interno: 64GB (expansível para até 2TB via MicroSD)
Dimensões (A x L x E): 156,4 x 76,4 x 5,99 mm
Peso: 145 gramas
Tela: 5,5 polegadas
Resolução: 1920 x 1080 pixel
Câmeras: Traseira de 12MP e frontal de 5MP
Slots para cartão: Dual SIM LTE 4G
Conectividade: Wi-Fi, Bluetooth 4.0, GPS
Sistema operacional: Android 7.1.1 Nougat
 
* Estagiário sob orientação de Taís Braga.  

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.