Festas de fé e tradição no Nordeste arrastam multidões de visitantes

As cidades se transformam em palcos para apresentações de quadrilhas, danças de forró e abrigam brincadeiras características do período junino. Homens e mulheres se vestem de "matutos" e relembram as suas raízes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/06/2015 15:40 / atualizado em 11/06/2015 16:31

O Nordeste se caracteriza pela tradição e religiosidade. Além dos festejos, as comemorações religiosas, como as trezenas de Santo Antônio, as simpatias para São João e São Pedro, comídas típicas, bebidas, brincadeiras como o pau de sebo, pular fogueira, guerra de fogos de artifício e festas de rua mudam o visual das cidades. A maioria se enche de bandeirolas, imagens de santos nas portas das casas, roupas feitas com chita colorida.

E não é raro se deparar com bandas de pífanos, os famosos “esquenta-muié”, tocando pelas ruas. Além disso, prefeituras e empresários investem em festas com artistas locais e grandes nomes da música no cenário brasileiro. É assim no Rio Grande do Norte, na Bahia, em Sergipe e no Maranhão, onde alguns municípios se destacam e arrastam multidões para os festejos.

 

RIO GRANDE DO NORTE

Boas-vindas ao santo festeiro

Raul Pereira/Divulgação

Assú e Mossoró são os munícipios com atrações de maior destaque no Rio Grande do Norte. Celebrações contam com artistas nacionalmente conhecidos e típicas brincadeiras juninas

Padroeiro da cidade, São João é adorado em praticamente todas as casas do município potiguar. E para comemorar o aniversário do santo, no dia 24, os festejos duram o mês inteiro. João, segundo relatos da bíblia, era o mais próximo a Jesus entre os doze apóstolos. Foi quem batizou Jesus nas margens do Rio Jordão. Além disso, eram parentes, já que a mãe dele, Izabel, era prima de Maria.

Além das missas e procissões, a população comemora com danças de forró e quadrilhas, quermesses, brincadeiras típicas e shows musicais. Historiadores afirmam que é o são-joão mais antigo do mundo, com 289 anos. Não é por menos que São João é conhecido como “santo festeiro”.

Há festas para todos, com programações especiais a cada dia. De vaqueiros, motoristas e motociclistas a funcionários públicos, crianças, jovens, idosos, família, filhos que estão ausentes etc. os shows grupos como Solteirões do Forró, Rainhas da Balada, Zé Sanfoneiro e Zé Filho são seguidos por grupos locais. A programação pode ser conferida no site da prefeitura: http://assu.rn.gov.br/sao-joao-do-assu-2015/.

Em Mossoró, a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte, está uma das maiores festividades de são-joão do país: o Mossoró Cidade Junina. As celebrações começaram no dia 6 e se estenderão até o dia 28, com um público esperado de 1,5 milhão de pessoas. Lá se apresentarão durante o evento, estão Luan Santana, Gusttavo Lima, Calypso e Solteirões do Forró.

Mas não são apenas os astros que dão brilho à festa. Também haverá espaço para atrações tradicionais, como o Festival de Quadrilhas, que contará, pela primeira vez, com uma quadrilha brasiliense na competição, a Formiga da Roça.Também haverá festival de repentistas e de humoristas, feira de artesanato e a tradicional encenação teatral da Chuva de Bala no País de Mossoró, que reconta como a cidade resistiu ao ataque do cangaceiro Lampião em 1927.

 

MARANHÃO

Na terra do boi caipira

Neidson Moreira/OIMP/D.A Press

Em São Luís, é o ritmo do bumba meu boi que comanda a festa. Quem estiver no Maranhão durante junho, não tem para onde fugir: é na capital que se encontra o principal são-joão do estado. Serão 18 dias de festa com grupos de dança folclórica e apresentações teatrais espalhados pela cidade.

As festas juninas começam no dia 12 e terminam em 29 de junho. Como sempre, e atrairão milhares de turistas. As celebrações em São Luís deixam de lado grandes artistas nacionais, como acontece em outras capitais brasileiras, e dão destaque a expressões mais populares de festejo. E não são poucas atrações, já que foram selecionados 80 grupos de bumba meu boi, 30 grupos de tambor de crioula, 50 grupos de danças populares, dez grupos de danças alternativas, 17 shows musicais, dez grupos de forró pé de serra, cinco expressões cênicas e cinco manifestações da cultura popular mirim.

Para promover as festas típicas maranhenses em outras cidades brasileiras, a prefeitura do município organizou uma caravana com artistas de danças folclóricas para visitar as cidades de Codó e Caxias, no interior do estado, uma semana antes do início dos arraiais. Os artistas viajaram para realizar apresentações e instigar os espectadores a comparecer ao são-joão da capital do estado. No são-joão de São Luís, diversos bairros da cidade são tomados pela festa junina, com apresentações de grupos de dança tanto no centro histórico da cidade, com foco na praça Maria Aragão, quanto nas periferias.

Assim, será possível conferir em uma diversidade de locais os diferentes estilos de bumba meu boi, mais conhecidos como sotaques: matraca, zabumba, de orquestra e Costa de Mão. Cada um deles conta com instrumentação e vestimentas diferentes, o que torna o arraial da cidade mais diversificado e colorido.

 

BAHIA

O forró das estrelas  

Bruno Winycius/CB/Divulgação/D.A Press

Aqueles que estiverem em busca de um são-joão repleto de cantores conhecidos nacionalmente, principalmente de forró e de sertanejo, já têm um destino certo: a Bahia. As principais festas juninas do estado contam com grandes nomes que atraem turistas para as semanas de celebração. Entre as cidades em festa, o destaque fica para Porto Seguro, Ibicuí e Amargosa

A 238km da capital Salvador, na região centro-sul, está Amargosa, conhecida como a cidade do forró. Além dos festejos abertos, com artistas populares, a cidade é conhecida pelo já tradicional Forró do Piu-piu, uma festa privada que ocorre hà 19 anos e atrai centenas de forrozeiros para a Fazenda Colibri. São três espaços dedicados à festa, no dia 21. A atração principal fica por conta do cantor Wesley Safadão. Lá, os visitantes podem dançar, beber e comer os pratos típicos juninos e também lanches. O preço é um pouco salgado (ingressos custam entre R$ 100 a R$ 600, no camarote).Mais informações no site www.forrodopiupiu.com.br.um  Nas ruas, entre os dias 19 e 24, os dois palcos da festa junina serão tomados por nomes como Zezé di Camargo e Luciano, Wesley Safadão e Durval Lelys.

Em Porto Seguro, quem anima os festejos é o São João Elétrico, entre os dias 20 e 23, na Passarela do Descobrimento. A festa é aberta ao público. Neste ano se apresentarão a banda Aviões do Forró e os cantores sertanejos Michel Teló, Daniel e Leonardo. O São João Elétrico está apenas na terceira edição, mas já conta com enorme popularidade: são esperados 320 mil pessoas ao longo dos quatro dias de festejo.

Outro destino popular na Bahia em junho é Ibicuí. A cidade que conta com uma população de apenas 16 mil pessoas, aproximadamente, vê as ruas serem tomadas por uma média de 60 mil turistas durante o são-joão. E as atrações musicais deste ano prometem chamar a atenção de visitantes no São João Ibicuí 2015 Brega Light: haverá shows de Ivete Sangalo, Pablo, Psirico, Aviões do Forró, Henrique Juliano, entre outros. As celebrações serão no período de 19 a 23 de junho.
 

Estância (SE)

Corrida de barcos de fogo

Turismo Sergipe/Divulgação

O barulho e as cores dos fogos cortando o céu pela noite são a marca registrada do São João de Estância, em Sergipe. A apenas 70km de Aracaju, a cidade de 67 mil habitantes tem uma das festas juninas mais reconhecidas do Nordeste. Da capital até lá, basta pegar um ônibus. A pasagem custa R$ 9.

Durante todo o mês de junho, os festejos tomam conta das ruas de Estância, especialmente na Praça Barão do Rio Branco. São batucadas, quadrilhas, apresentação de espadas e buscapé — um show de luzes pelo chão, típico na nesta época —, além de concursos, como o de decoração do espaço público e o de comida típica. Mas a atração principal é o espetáculo do Barco de Fogo.

Os moradores constróem os “brinquedos”, utilizando madeira leve e papelão colorido. Eles têm cerca de um metro e são recheados com pólvora na medida exata para queimar os rojões e fazer do barco, basicamente, um foguete. Um cabo de aço de aproximadamente 200 metros preso a dois pedaços de madeira é estendido no alto e é sobre ele que os barcos de fogo cruzam o céu, em alta velocidade.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.