Olha a onda! No verão, o parque aquático da Disney atrai todas as idades

Recomendado para jovens e adultos, o parque aquático Typhoon Lagoon é a melhor pedida para aliviar o calor e gastar energia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/07/2015 16:45 / atualizado em 09/07/2015 16:44

Ataide de Almeida Jr.

David Roark/Divulgação


Com temperaturas que variam entre 30ºC e 35ºC nesta época do ano, Orlando só não pega fogo porque a umidade alta não deixa. A melhor forma de aplacar esse calor é um bom parque aquático. A Disney tem dois: o Typhoon Lagoon e o Blizzard Beach. O Correio visitou o primeiro, que é uma das opções mais interessante para os jovens. Há alguns espaços bem limitado para os pequenos, mas podem diminuir a diversão daqueles sedentos –– sem trocadilho –– por toboáguas e velocidade.

Comece pelo Storm Slides. São três toboáguas velozes, entrelaçados e cheios de curvas e voltas, que descem de uma altura equivalente a três andares. Como toda atração desse tipo, prepare-se para subir vários degraus de escada.

De lá, siga para o mais radical do parque: o Humunga Kowabunga. ambém são três toboáguas completamente fechados, onde você despenca de uma altura de cinco andares em poucos segundos. Vale lembrar que os parques áquaticos não têm o sistema de Fastpass+, portanto, comece a exercitar a paciência, pois as filas tendem a ser grandes.

Depois de curtir essas descidas mais radicais, junte até quatro pessoas e desça na Gang Plank Falls. Com intensidade mediana, o tobogã escorrega por quase 900 metros. Para passeios sozinhos, na boia, aproveite o Keelhaul Falls ou o Mayday Falls. O primeiro é leve, quase entediante. O segundo é mais rápido e passa por um caminho interno, entre corredeiras.

Walt Disney World/Divulgação


Ainda dá tempo, antes de almoçar, para nadar na piscina de ondas. É fácil de achar, no centro do parque. Se ainda estiver perdido, siga o grito das pessoas a cada dois minutos, sinal de que a onda está vindo. Para o jovens, é seguro ficar na linha vermelha da piscina, onde dá pé para a maioria das pessoas. Mas como a vida é uma aventura, vá até o fundo, com mais de 2m de profundidade — há dois salva-vidas no local.

A cada dois minutos — além dos gritos —, você vai poder surfar, pegar jacaré, mergulhar, bater de frente etc., em uma onda de até 1,8m. É uma atividade viciante. Se estiver cansado, fique ali à beira da piscina relaxando nas pequenas marolas.

Na maciota

Depois do almoço, de tomar uma boa cerveja por lá (escolha as das cervejarias artesanais), nada melhor do que descansar na piscina, claro! Procure o Castaway Creek e dê uma volta por toda a extensão do parque deitado em uma boia. Feche os olhos e escute o som ambiente estrategicamente colocado em volta do lugar e descanse — isto é, se os gritos da piscina de ondas não atrapalharem. Os jovens podem arriscar um nado com os tubarões (em horários prédeterminados) ou até mesmo ter aulas de surfe, pagas à parte. (AAJ)

 

Parque com mais emoção

 

Walt Disney World/Divulgação


Se os parques anteriores contemplaram atrações para crianças, pré-adolescentes e jovens, o Hollywood Studios tem atividades para pessoas entre 20 e 30 anos. Criado em 1989, passou por algumas mudanças, inclusive no nome — antes era Disney MGM Studios, em seguida Studios Disney. Outra novidade foi a recente retirada do tradicional chapéu do Mickey, utilizado no filme Fantasia, que decorava o centro do parque.

O Hollywood Studios é para quem cansou de montanhas-russas que caem em curva (sim, Disney, a emoção está em quedas verticais e loopings) ou animatronics felizes e cantantes por todos os lados. Corra direto para a The Twilight Zone Tower of Terror, ou popularmente conhecida como Torre do Terror. O brinquedo foi inspirado numa série de tevê do fim dos anos 1950, que contava a história de uma família que desaparece após entrar no elevador de um hotel.

Walt Disney World/Divulgação


Escute a história (todos os brinquedos têm um prólogo, acostume-se), entre no elevador, prenda o cinto e espere subir. São 13 andares, equivalente a uma altura de 60m. Aguarde alguns segundos e sinta a queda (gritar é o melhor conselho). Vale a pena repetir esse brinquedo, pois há diferentes tipos de quedas programadas pelo computador — algumas que começam mais suaves e outras que já despencam sem dó.

Já que o corpo está com adrenalina lá em cima, vá para a outra atração radical do parque, a Rock ‘n’ Roller Coaster Starring Aerosmith, uma montanha-russa que leva o nome do grupo Aerosmith — que, inclusive foi testada e aprovada por ele. A fila é grande, portanto, esse é mais um brinquedo que você deve marcar o FastPass+. Lá, você entra numa espécie de carro que segue a 100km/h em meio a escuridão — há ainda um looping pelo caminho. A aventura, é rápida demais, a sensação é de que deveria durar mais.

Comida

Sem tanta emoção, mas tão divertido quanto, o Toy Story Midway Mania mistura animações 3D com uma brincadeira de tiro ao alvo. É um dos melhores brinquedos para ir depois do almoço ou logo que se cansar das aventuras dos outros dois.

Por falar em comida, há dois restaurantes de destaque –– não muito caros — no Hollywood Studios. O primeiro é feito para quem é fã das séries da ABC, como Revenge ou Scandal, e chama-se ABC Comissary. São servidos sanduíches, saladas e batatas fritas. A média de preço é de US$ 15 por pessoa. Para o jantar, reserve com antecedência no The Hollywood Brown Derby. O restaurante é uma réplica do Brown Derby, muito frequentado pelos maiores astros de Tinseltown, na era de ouro de Hollywood. As paredes são decoradas com caricaturas de famosos. As refeições custam, em média, US$ 30 por pessoa.

Ainda que você seja daqueles jovens que dispensam os shows de fogos para ficar o máximo de tempo possível nos brinquedos, tente fazer diferente neste parque. O espetáculo Fantasmic!, que encerra as atividades do Hollywood Studios, vale a pena ser assistido. Por volta das 20h30, siga o fluxo até as imediações da Torre do Terror e encontre um lugar para se sentar. Com duração de 25 minutos, estrelado por Mickey Mouse e uma série de personagens, um show de música canções, luzes de laser e surpreendentes efeitos na água vai ficar na sua memória para sempre.

 

Fique esperto
O Typhoon tem armários para guardar os seus pertences. O aluguel por dia custa US$ 15
Há uma loja no parque, mas só compre lá se tiver esquecido alguma coisa. Aproveite uma das visitas ao Walmart ou ao Target para adquirir protetor solar
O parque aluga toalhas por US$ 2
Não vá aos parques aquáticos de sunga. Os americanos preferem usar bermuda, sabe-se lá o motivo. O fato é que, com sunga, você será o centro das atenções
Use chinelos, o chão costuma ficar quente

Magic Band

Quando se vai a um parque como o Typhoon, o ideal é levar apenas o essencial. Para facilitar a vida, a Disney criou as Magic Bands, pulseiras à prova d’água que servem para uma infinidade de coisas, como abrir a porta do seu quarto (caso fique hospedado em um dos resorts da empresa), entrar nos parques, fazer check-in no FastPass+, receber suas fotos após as atrações e comprar comida e bebida. Quem está nos hotéis da Disney recebe grátis. Se não for o caso, basta comprar on-line, por cerca de US$ 13.

Serviço
Typhoon Lagoon

1145 East Buena Vista Boulevard, Orlando
Ingressos: US$ 97 para crianças acima de 10 anos e US$ 91 para crianças de 3 a 9 anos
Funcionamento: aberto todos os dias, das 9h às 20h

 

 

O jornalista viajou a convite da TAM, TAM Viagens e do Walt Disney World

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.