MARANHÃO

Um salto para a aventura: natureza e esportes radicais na Chapada das Mesas

Com várias opções para quem procura fugir do estresse das grandes cidades, Carolina espera receber até 25% mais visitantes interessados em atividades radicais. As cachoeiras e os morros são perfeitos para quem quer mais contato com a natureza

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/07/2015 15:02 / atualizado em 23/07/2015 15:15

Otávio Augusto , Especial para o Correio

Antonio Cunha/CB/D.A Press


O ecoturismo e o turismo de aventura crescem a passos largos no Brasil. Segundo dados da Organização Mundial do Turismo (OMT), enquanto as viagens com destinos urbanos tiveram alta de 7,5%, no ano passado, o segmento com foco ambiental teve aumento de 20%. Estima-se que mais de 5 milhões de brasileiros pratiquem o ecoturismo. Em Carolina, os amantes de aventura e práticas radicais podem desfrutar de um leque de possibilidades que vão desde descer da segunda mais alta tirolesa do país até participar de uma expedição de caiaque que dura sete horas entre as cachoeiras São Romão e Prata, no rio Farinha.

A preocupação com o meio ambiente, a maior conscientização ecológica e uma maneira de fugir da rotina e do estresse dos centros urbanos são algumas das diversas hipóteses para tentar explicar o porquê de as pessoas buscarem esportes radicais. João Moropóia Ribeiro é empresário do ramo e afirma que os turistas que procuram essas atividades são e sua maioria pessoas atarefadas. “A rotina dos escritórios e das grandes empresas fazem com que os níveis de irritação aumentem. Essa é a válvula de escape que os visitantes da região encontram”, afirma.

A aventura nas trilhas no meio da chapada, a adrenalina de de jogar de mais de 1,4 mil metros de altura e o esforço de remar contra a correnteza dos rios fizeram com que a estudante de farmácia Juliana Vieira Reis, 23 anos, pensasse em voltar a praticar esportes após mais de dois anos no sedentarismo. “Despertou um sentimento que estava adormecido em mim. Gosto de me exercitar, mas a correria do dia a dia faz com que isso fique em segundo plano. Todas as atividades que fiz aqui me trouxeram uma sensação que há tempos não sentia”, revela a paulista.

Crescimento

A expectativa da Prefeitura de Carolina para 2015, é que o segmento cresça de 15% a 25%. A alta significa mais investimentos, ideias novas e aperfeiçoamento dos serviços para agradar ao turista. “A gente trabalha para quem visite Carolina saia satisfeito. O nosso maior retorno é o boca a boca das pessoas. Muita gente vem aqui porque algum amigo ou parente indicou”, diz Antônio Lucena Junior, secretário de Turismo.

Apesar dos avanços, a cidade ainda não possui um Centro de Atendimento ao Turista (CAT). Alguns visitantes afirmam que o serviço oferecido pelo governo não é suficiente para a demanda. Antônio diz que a prefeitura disponibiliza auxílio a quem precisa. Segundo o executivo, o local funciona no centro de Carolina, na sede da prefeitura um departamento que cuida somente dos assuntos relacionados ao turista. “Temos sim que melhorar neste sentido, mas hoje quem precisa é ajuda  ou informações é atendido”, garante.

Para saber mais
Passeio nas alturas
A subida para a tirolesa é realiza por um teleférico. A entrada custa R$ 10. Para descer os mais de 1.400m, o turista desembolsa R$ 70. Há diversas opções para almoço, com preços que variam de R$ 30 a R$ 60. O resort Pedra Caída dispõe de restaurantes, além de hospedagem. Existem muitas cachoeiras na região, com a do Capelão, da Caverna e a do Santuário. Os guias têm opções e horários que sairão com grupos.

 

Antonio Cunha/CB/D.A Press


Para Carolina
Por quatro décadas Carolina foi destaque na aviação comercial. O Aeroporto do Ticoncá, construído pela Força Aérea Brasileira (FAB), chegou a funcionar com cinco companhias aéreas operando. Era um dos mais movimentados do Nordeste até 1976, quando foi desativado. Este ano, Carolina passou a ter voos regulares. Um deles saindo de Brasília. O avião, da Sete Linhas Aéreas, parte da capital às 11h02 e chega à cidade às 14h45. Na volta, parte às 15h e chega às 18h47. A procura foi tão grande que a companhia aérea aumentou o número de aviões e a quantidade voos por semana. Passaram de três decolagens por semana, para viagens diárias.

Radical
Veja opções de esportes entre R$ 30 e R$ 90 disponíveis na região:

Rapel
Tirolesa
Arvorismo
Caiaque
Trilhas
Mergulho
Slackline


Antonio Cunha/CB/D.A Press


Gastronomia
A gastronomia carolinense é rica e bastante diversificada. Destacam-se a Maria Isabel — arroz com carne de sol — e os pratos à base de peixe de água doce, como surubim no leite de coco e pirão, pacu, tambaqui e tambacu fritos, assim como a carne de sol com macaxeira frita e a galinha caipira ao molho pardo. Os doces à base de casca de laranja, jaca e bacuri são famosos em toda a região. São caraterísticas como essas que a secretária de Cultura de Carolina, Fátima Mattos, quer preservar. “É uma cidade muito rica culturalmente. Temos nuances do passado que ainda não foram trabalhados”, afirma.

Atrações turísticas


Cachoeiras da Pedra Caída
É o mais importante ponto turístico sul maranhense. Possui três grandes quedas d’água, sendo que, na Gruta do Amor, a água despenca a uma altura de 46 metros em uma série de pequenos saltos, além de grande piscina de água corrente.

Cachoeiras do Itapecuru
A 33km do centro de Carolina há quedas d’água de cerca de 20 metros que formam uma enorme piscina natural, praias e pequenas ilhas. Também há uma hidrelétrica da década de 1940, que hoje está desativada.

Cachoeiras do Rio Farinha
É preciso um carro com tração para se chegar às cachoeiras de São Romão e do Prata, as duas no Rio Farinha. A visitação deve ser acompanhada por guias. Há ainda a Cachoeira do Porão, que leva esse nome porque as águas somem pelas pedras e reaparecem a alguns metros.

Praia do Tocantins
Conhecidas como praias de Carolina, elas aparecem do lado do estado do Tocantins, na cidade de Filadélfia. As praias começam a surgir quando o rio baixa, a partir do mês de junho, e só desaparecem no fim de agosto.

Cachoeira do Dodô
A Cachoeira do Dodô fica  a cerca de 12km da cidade de Carolina, em uma área privativa, mas o acesso é aberto ao público. No local, há espaços para quem quiser acampar, além de chalés e restaurantes, que servem o melhor da culinária local.

Morro das Figuras

Próximo à cachoeira da Prata, a 40km de Carolina, tem formação rochosa com diversas inscrições rupestres recentemente descobertas por arqueólogos, que acreditam ser de autoria de índios craô descendentes dos
tupi-guarani.

Morro do Chapéu
Com 378 metros de altura, é um dos pontos mais altos da região e leva o nome por causa do formato. Esta é a montanha símbolo do Parque Nacional da Serra da Mesa. Fica a 30km de Carolina, indo pela BR-010.

Morro do Portal
O local fica na estrada para as cachoeiras da Pedra Caída. O grande atrativo é a impressionante visão da Chapada das Mesas. Além disso, uma das paredes do morro exibe uma cratera que faz alusão ao formato do mapa do Tocantins.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.