COLÔMBIA

Bogotá, a metrópole encantadora no pequeno país da América Latina

Bogotá reúne as principais características de uma cidade grande, como movimentação intensa e trânsito complicado, além da mistura de arquitetura moderna e antiga. O Museu do Ouro e a Catedral de Sal devem estar no roteiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/07/2015 09:01 / atualizado em 29/07/2015 20:07

Guilherme Araújo , Especial para o Correio

Guilherme Araújo/Divulgação

Decidir qual país visitar da América Latina pode ser um desafio. Geralmente, os brasileiros e outros turistas ao redor do mundo pensam, em primeiro lugar, em visitar Buenos Aires, na Argentina; Machu Picchu, no Peru; ou Santiago, no Chile. Por que não a Colômbia? O país recebeu quase 125 mil visitantes brasileiros em 2014 e já é o quarto maior emissor de turistas para a região — atrás dos Estados Unidos, da Venezuela e do Equador.

A população do país esbanja simpatia e receptividade com os turistas. A cultura pulsa nas principais regiões. Os governos têm intensificado a segurança nos últimos 10 anos, aumentando o número de policiais nas ruas para garantir a proteção das pessoas que ali vivem ou visitam a região. O Correio percorreu por 20 dias o território colombiano, passando pelas cidades de Bogotá, Medellín, Santa Marta e Cartagena.

O passeio começa em Bogotá. A movimentação na capital da Colômbia demonstra o perfil de uma metrópole. Pessoas indo e vindo a todo instante. Uma região dominada pelo negócio, onde a economia pulsa. A gastronomia, os hostels e os hotéis, as lojas de marcas e mais de 50 museus chamam a atenção dos turistas. Os parques e as árvores espalhadas colorem de verde a paisagem urbana. Tenha sempre um casaco, pois o frio e a chuva fazem parte do clima predominante na cidade.

A arquitetura moderna contrasta com prédios coloniais. É um panorama imperdível fazer uma caminhada de alguns quarteirões entre a La Candelaria, no centro histórico, e as torres do Centro Internacional, onde estão localizados os escritórios.

Guilherme Araújo/Divulgação

Mas há problemas também. Com uma população de 7 milhões de habitantes, Bogotá tem um trânsito complicado. O Transmilênio — corredor de ônibus que corta toda a cidade — tem uma rotatividade muito grande de veículos, mas geralmente não atende a excessiva quantidade de passageiros, já que esse transporte público é o único da região. Ou se utiliza esse serviço ou se pega táxi, o que não é uma má opção, pois o preço é acessível. Ambos levam os turistas às principais atrações da cidade.

Botero
Entre os mais importantes pontos turísticos da cidade, está o Museu Botero, uma homenagem ao artista colombiano Fernando Botero, conhecido pela estátuas e quadros com formas redondas. O estabelecimento, localizado no bairro La Candelaria, funciona em um casarão colonial com mais de 123 artigos expostos.

Além dele, vale a pena visitar o  Museu do Ouro do Banco da República, que se destaca por contar a história do país por meio de 34 mil peças de metais preciosos e 20 mil objetos de pedra e cerâmica de diversas culturas pré-hispânicas.

Visitar a Catedral de Sal não pode estar fora do roteiro. Essa igreja é considerada como a primeira maravilha da Colômbia e foi construída numa mina de sal que encanta pela sua grandeza e pelos detalhes cristãos. Esse santuário está localizada em Zipaquirá, um município a 47km do centro de Bogotá (cerca de 1h30 de carro).

Guilherme Araújo/Divulgação

A Catedral de Sal está localizada a 180 metros sob a superfície, onde uma cruz de 16 metros de altura atrás do altar chama a atenção dos visitantes. É comum ver muitos fiéis pagando promessas no local.

Dentro da igreja, é possível comprar as famosas esmeraldas da Colômbia, conhecer um pouco mais sobre a história em exposições de esculturas de sal, filmes e curiosidades. Esse passeio custa 25 mil pesos colombianos (cerca de R$ 35). Para chegar lá, pegue um ônibus até Zipaquirá. A passagem custa 5 mil pesos colombianos.


Voos
Há voos diretos da TAM e da Gol, que saem de Brasília para Bogotá. Utilizar milhas não é uma má ideia para ir à Colômbia. É possível comprar uma passagem de ida e volta pelas companhias aéreas brasileiras por 22 mil milhas, com taxa de R$ 350. Caso o turista não possua o sistema de milhagens, ele pode encontrar passagens por até R$ 1.600 com três meses de antecedência. Dentro do país, há voos de uma região para a outra a preços acessíveis pela companhia aérea Viva Colombia, por 120 mil pesos colombianos (cerca de R$ 140).


Visto
Para ingressar no país, não é necessário ir à Embaixada da Colômbia para garantir o visto. A estampa é carimbada no aeroporto local de Bogotá. Também não há obrigatoriedade de apresentar na alfândega o certificado de vacinação contra a febre amarela.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.